Zika: Missão internacional da OMS visita El Salvador para trocar experiências sobre vírus

A pesquisadora Cynthia Braga, do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (Fiocruz Pernambuco), participa da missão, juntamente com pesquisadores de Espanha, Colômbia, Chile e Uruguai.

No Brasil, vírus zika já circula por 18 estados. Foto: FotosPúblicas / Rafael Neddermeyer

Foto: FotosPúblicas / Rafael Neddermeyer

Um grupo multidisciplinar de especialistas convocada pela Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) realizará esta semana uma missão para El Salvador para trocar experiências e acompanhar os esforços de resposta nacional ao surto do vírus zika.

Durante a missão, os especialistas realizarão reuniões com funcionários do Ministério da Saúde, compartilharão experiências do Brasil, Colômbia e Chile, além de realizar reuniões com as áreas técnicas e visitas a hospitais e laboratórios. A missão também viajará para áreas do país onde tem havido casos de zika.

A missão faz parte da estratégia da OPAS para fortalecer as capacidades dos países de lidar com o zika. O trabalho foi intensificado desde que a OMS declarou uma emergência de saúde pública de importância internacional após a epidemia no Brasil e sua possível associação com o aumento de casos de microcefalia neste país, disse Carlos Garzón, representante da OPAS/OMS em El Salvador.

A pesquisadora Cynthia Braga, do Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (Fiocruz Pernambuco), participa da missão, juntamente com pesquisadores de Espanha, Colômbia, Chile e Uruguai.

Durante a missão, a experiência brasileira na gestão de microcefalia e da Síndrome de Guillain Barré (SGB) será compartilhada, além da troca de informações sobre a execução dos protocolos de monitoramento e apoio aos serviços de saúde para o atendimento público, sobretudo no caso das manifestações neurológicas graves.

O vírus zika já se estende por 31 territórios e países das Américas e já alcanca todas as regiões do mundo. Acompanhe o tema em https://nacoesunidas.org/tema/zika