Workshop internacional discute controle e repressão do desvio de produtos químicos

Mecanismos de controle conjuntos das esferas privada, pública e internacional poderiam dificultar a obtenção de insumos químicos para a produção de drogas ilícitas, especialmente o crack.

Da esquerda para a direita: Rubens Medrano (ASSOCIQUIM), Roberto Troncon (Polícia Federal), Julio Danilo Ferreira (Polícia Federal) e Flavio Mirella (UNODC). Foto: UNODC

Da esquerda para a direita: Rubens Medrano (ASSOCIQUIM), Roberto Troncon (Polícia Federal), Julio Danilo Ferreira (Polícia Federal) e Flavio Mirella (UNODC). Foto: UNODC

O Workshop Internacional de Controle, Prevenção e Repressão do Desvio de Produtos Químicos foi realizado na semana passada em São Paulo, reunindo representantes da Polícia Federal (PF), do programa de Prevenção do Desvio de Substâncias Precursoras de Drogas nos Países da América Latina e Caribe (PRELAC) e de entidades privadas para discutir o desvio de produtos químicos para o tráfico de drogas.

O objetivo foi promover o aprimoramento dos mecanismos de controle através do trabalho conjunto das esferas privada, pública e internacional, numa estratégia de combate ao tráfico de drogas focada em dificultar a obtenção de insumos químicos para a produção de drogas ilícitas, especialmente o crack.

“O intercâmbio de boas práticas é sem sombra de dúvida o caminho certo para avançarmos. Esse workshop, pela qualidade de seus participantes, servirá para darmos um passo na direção de um melhor controle de produtos químicos”, afirmou o superintendente da PF em São Paulo, Roberto Troncon, na abertura do evento.

“Temos que garantir a utilização de insumos químicos para os fins para os quais foram criados — ou seja, compor produtos médicos e cosméticos que são úteis e facilitam nossas vidas — mas que podem, uma vez desviados, se prestar à produção de drogas ilícitas e psicoativas, que afetam a saúde humana e são um mal que a sociedade mundial tem enfrentado, ainda sem uma solução adequada.”

Ao longo dos dias 22 e 23 de abril foram realizados três painéis de discussão no Auditório da Fecomércio de São Paulo, contando com a participação de palestrantes estrangeiros que compartilharão a experiência de países europeus e sul americanos.

“O problema do desvio de precursores tem mantido um ritmo de crescimento com a globalização que nos traz maiores desafios na questão de controle”, disse Flavio Mirella, representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Peru e coordenador geral do PRELAC, programa financiado pela União Europeia (UE) e implementado pelo UNODC.

“O PRELAC busca uma cooperação muito mais ativa com a UE, não só com cooperação técnica, mas também com sistemas informáticos de registro e com o fortalecimento da cooperação entre entidades do Estado e empresas privadas”, explicou Mirella.

Ele também destacou que ainda persiste a percepção em muitos países que o registro de produtos químicos é só um tema administrativo: “O PRELAC seguirá trabalhando para que isso passe de um tema administrativo a um de fiscalização baseado em perfis de risco e troca de informação entre países, enfatizando um papel muito mais ativo do Estado, no sentido de facilitar o comércio ao invés de dificultá-lo.”

Saiba mais clicando aqui.