Voluntários trabalham pelo fim da AIDS no deserto da Califórnia

Palm Springs, nos Estados Unidos, é conhecida por atrair celebridades e também pelos campos de golfe e hotéis luxuosos. Mas essa região no sul do deserto da Califórnia é também o berço de uma experiência comunitária e inovadora que garante serviços de saúde e HIV para cerca de 4 mil pessoas. O Desert AIDS Project oferece atendimento gratuito ou a preços acessíveis para qualquer um que precise. O relato é do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

Palm Springs, na Califórnia. Foto: UNAIDS

Palm Springs, na Califórnia. Foto: UNAIDS

Palm Springs, no sul do deserto da Califórnia, Estados Unidos, é conhecida por suas fontes termais, hotéis elegantes e campos de golfe. Playground para os ricos e famosos, a região atrai celebridades desde os anos 1920.

Palm Springs também abriga uma considerável comunidade de pessoas vivendo com HIV, especialmente homens gays, muitos deles com mais de 50 anos de idade e cada um com as suas próprias necessidades sociais e de saúde.

No Desert AIDS Project, indivíduos que vivem com HIV podem receber apoio e assistência médica. Criada em 1984 por um grupo de voluntários da própria comunidade, a organização funciona como um centro de atenção primária, que oferece serviços de saúde especializados para quem é soropositivo ou é afetado de alguma forma pelo vírus. Pelos últimos 35 anos no Vale do Coachella, a instituição tem sido o principal provedor de saúde sem fins lucrativos para pessoas atingidas pela epidemia de HIV.

“Minha visão é um centro de saúde abrangente de HIV e cuidados primários, com serviços integrados para todas as pessoas, independentemente da sua capacidade de pagar. Acreditamos que cuidar das necessidades humanitárias básicas constrói a base da nossa abordagem holística para os cuidados relacionados à saúde”, afirma o diretor médico chefe do Desert AIDS Project, David Morris.

Mais de 400 voluntários trabalham no projeto, que atualmente conta com cerca de 4 mil clientes inscritos em seus serviços. Metade dessas pessoas são afetadas pelo HIV. Uma média de 30 a 40 novos usuários se registra a cada mês. Além de atendimento para o vírus, a equipe oferece serviços de odontologia, saúde mental e serviços sociais. Em alguns pontos da região, a inciativa também realiza testes de HIV gratuitos e confidenciais, sete dias por semana.

“Unir o Desert AIDS Project com o UNAIDS — local e globalmente — permite compartilhar estratégias, experiências e resultados e também mostra como programas e serviços de HIV inovadores e abrangentes no Vale do Coachella podem servir como modelo em todos os lugares”, avalia Bertil Lindblad, membro do Conselho Executivo do Desert AIDS Project.

A instituição tornou-se conhecida e respeitada por sua política de atendimento para todos em Palm Springs, incluindo para os mais marginalizados. O projeto oferece serviços de saúde gratuitos ou de baixo custo e opera uma residência comunitária com 80 moradias, acessíveis para pessoas pobres. A longa lista de espera por uma vaga no programa residencial levou recentemente a um aumento no número de unidades habitacionais.

“Enquanto muitos estão falando sobre o fim da AIDS, o Desert AIDS Project está inovando, colaborando e trabalhando todos os dias para chegar lá”, elogia a delegada norte-americana na Junta de Coordenação do UNAIDS para o biênio 2017-2018, Marsha Martin.

Neste mês (8), a diretora-executiva adjunta da área de Gestão e Governança do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Gunilla Carlsson, foi convidada a visitar o Desert AIDS Project para conhecer, em primeira mão, como o centro atende aos moradores de Palm Springs.

“O Desert AIDS Project é um exemplo de como uma abordagem holística de assistência à saúde e ação comunitária se traduz em resultados. Evoluiu de um grupo de voluntários fornecendo serviços de HIV para um real provedor de saúde. Seu sucesso mostra o que pode ser feito quando nos empenhamos nisso”, afirma a dirigente.