Venezuelanas e brasileiras farão grafite em Boa Vista (RR) pelo fim da violência contra mulheres

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

No marco dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Secretaria de Estado do Trabalho e Bem-Estar Social de Roraima (SETRABES) promovem na terça e quarta-feira (5 e 6), a partir das 9h, a grafitagem de um muro em Boa Vista (RR), com a participação mulheres venezuelanas e brasileiras.

Vista aérea de Boa Vista, Roraima. Foto: EBC

Vista aérea de Boa Vista, Roraima. Foto: EBC

No marco dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e a Secretaria de Estado do Trabalho e Bem-Estar Social de Roraima (SETRABES) promovem na terça e quarta-feira (5 e 6), a partir das 9h, a grafitagem de um muro em Boa Vista (RR) com a participação mulheres venezuelanas e brasileiras.

A ação faz parte da programação do IV Grafita Roraima, evento realizado pela Universidade Federal de Roraima (UFRR) em parceria com coletivos de arte urbana.

Sob o tema “A violência contra a mulher não tem fronteira”, a pintura do muro será realizada por venezuelanas que vivem no Abrigo Tancredo Neves em conjunto com mulheres brasileiras que residem no bairro do Caimbé.

O local escolhido para a arte, elaborada pelas artistas Lais Marta, de Boa Vista, e Deborah Erê e Nadja Kristina, de Manaus, é o muro do Estádio Ribeirão, localizado próximo ao abrigo.

O espaço foi cedido pelo Instituto do Desporto e da Cultura de Roraima. As artistas propuseram um croqui inicial que será finalizado após um dia de conversas sobre os direitos das mulheres e de uma troca de experiências entre as participantes da ação.

A quarta edição do projeto, que acontece entre segunda (4) e sábado (9), será marcada por debates, oficinas gratuitas e intervenções urbanas com grafiteiros locais, de Manaus e da Venezuela, distribuídos em três escolas de Boa Vista: Escola Estadual Professor Antônio Carlos da Silva Natalino, Escola Estadual Professora Maria das Dores e Colégio de Aplicação, além da UFRR.

Os 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres começaram em 1991, quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), iniciaram uma campanha com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo.

A data é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa Mirabal, que fizeram oposição ao ditador Rafael Trujillo, da República Dominicana, e por isso foram assassinadas em 1960. Elas ficaram conhecidas como “Las Mariposas”.

A iniciativa hoje tem como objetivo chamar a atenção para a urgência da eliminação da violência de gênero e mobilizar a sociedade, através de mensagens e iniciativas de impacto, capazes de provocar mudanças em políticas públicas, na mídia, em serviços básicos relacionados a áreas como educação, saúde, segurança e trabalho, entre outros.

Além da atividade em Roraima, o ACNUR está liderando e participando uma série de eventos como oficinas, debates e treinamentos em três capitais brasileiras com o intuito de envolver membros da sociedade e estimular a conscientização para a erradicação da violência sexual e de gênero.

A violência sexual é frequentemente motivo de deslocamento forçado. Refugiados e deslocados internos correm também altos riscos de sofrer algum tipo de violência ao longo de suas jornadas.

Em 2017, muitas operações do ACNUR intensificaram seus trabalhos para prevenir e responder à violência sexual e de gênero – inclusive buscando medidas para enfrentar estupro, abuso sexual, casamento infantil, violência cometida pelo parceiro íntimo, exploração e abuso sexual, e mutilação genital feminina.

Prevenir a violência sexual e de gênero, proteger, oferecer soluções e apoio aos sobreviventes para que tenham acesso a serviços e possam reconstruir suas vidas, é um aspecto fundamental do mandato do ACNUR.

A campanha 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres acontece no mundo inteiro até 10 de dezembro, Dia Mundial dos Direitos Humanos.

Confira a programação completa do evento no site: https://grafitarr.wixsite.com/grafitarr.


Mais notícias de:

Comente

comentários