Usain Bolt: ‘vamos correr juntos por um mundo sem fome’

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo, uniu-se à luta mundial contra a fome, fazendo um chamado: “vamos correr juntos por um mundo sem fome”.

O lendário velocista enviou uma mensagem de vídeo aos participantes da Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), que ocorreu na Jamaica, seu país de origem, na semana passada. Assista ao vídeo.

Usain Bolt. Foto: Flickr/Nick Webb (CC)

Usain Bolt. Foto: Flickr/Nick Webb (CC)

Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo, uniu-se à luta mundial contra a fome, fazendo um chamado: “vamos correr juntos por um mundo sem fome”.

O lendário velocista enviou uma mensagem de vídeo aos participantes da Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), que ocorreu na Jamaica, seu país de origem, na semana passada.

O esportista jamaicano pediu que todos “corram” em direção a sistemas alimentares e vidas mais saudáveis.

O vídeo foi exibido na quarta-feira (7) na Conferência Regional, durante um ato que comemorou os 15 países da América Latina e do Caribe que completaram 40 anos trabalhando lado a lado com a FAO.

Melhorar os sistemas alimentares para uma vida saudável

“Sistema alimentar saudável, dieta saudável, vida saudável. Corra por isso”, disse Usain Bolt em sua mensagem à Conferência Regional.

O apelo do atleta à comunidade internacional ocorre em meio a um momento crítico para a segurança alimentar que a América Latina e o Caribe estão atravessando.

Pela primeira vez em duas décadas, a fome aumentou na região, chegando a 42,5 milhões de pessoas, enquanto a obesidade se tornou uma epidemia que afeta 96 milhões de adultos.

A solução para ambos os problemas é criar — como Bolt apontou — sistemas alimentares saudáveis, que não só produzem alimentos, como também nutrem pessoas.

A Conferência Regional da FAO é lugar-chave para gerar essas mudanças, e ao longo da semana passada promoveu acordos com povos indígenas, bancos de desenvolvimento e parceiros como o México, com quem a FAO criou um fundo para adaptação e resiliência às mudanças climáticas nos países do Caribe.


Mais notícias de:

Comente

comentários