UNOPS e MPT entregam mais de 2 mil cestas básicas à população do Amapá

Mais de 2,1 mil cestas básicas começaram a ser entregues no sábado (27) para organizações não governamentais (ONGs) no Amapá. Famílias de todo o estado serão beneficiadas, e 800 cestas serão enviadas para reservas indígenas.

As cestas foram compradas pelo UNOPS, organismo das Nações Unidas especializado em infraestrutura, compras e gestão de projetos, com recursos destinados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no Amapá, decorrentes de Ações Civis Públicas e de Termos de Ajuste de Conduta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mais de 2,1 mil cestas básicas começaram a ser entregues no sábado (27) para organizações não governamentais (ONGs) no Amapá. Famílias de todo o estado serão beneficiadas, e 800 cestas serão enviadas para reservas indígenas.

As cestas foram compradas pelo UNOPS, organismo das Nações Unidas especializado em infraestrutura, compras e gestão de projetos, com recursos destinados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) no Amapá, decorrentes de Ações Civis Públicas e de Termos de Ajuste de Conduta.

A logística de distribuição é coordenada pela plataforma local de entidades Amapá Solidário.

Com população de cerca de 750 mil habitantes, o Amapá apresenta hoje a maior taxa de infectados do país por 1 milhão de habitantes, aproximando-se de 15 mil, segundo dados do Ministério da Saúde.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que apenas 5,9% da população têm acesso a serviços de saneamento básico, cenário que agrava a situação no estado. Além disso, cerca de 36,8 mil famílias vivem em áreas de ressaca que são áreas alagadas.

“Todo esse trabalho em equipe possibilitou a distribuição das cestas básicas para diferentes
locais, como Oiapoque, ilhas do Pará, além de territórios indígenas”, disse o procurador do trabalho Eduardo Serra, que atua na região.

“A ação tem por fim apoiar a população neste momento, que, com certeza, será superado”, finalizou o procurador.

A representante do UNOPS no Brasil, Claudia Valenzuela, lembrou que, devido ao aumento do desemprego e da queda da renda, milhões de pessoas não estão conseguindo adquirir alimentos suficientes no contexto da pandemia.

“Assim, com o MPT, atuamos para garantir que populações em situação de vulnerabilidade, como grupos indígenas, tenham acesso a alimentação”, afirmou.

Ela explicou que o UNOPS é um organismo da ONU especializado em compras, gestão de projetos e infraestrutura. “Trabalhamos para melhorar a vida das pessoas”, finalizou.

Para Alzira Nogueira, voluntária do Amapá Solidário, “a entrada do UNOPS e do MPT nas ações valoriza o povo do Amazônia, urbanos e rurais, ribeirinhos e da floresta, em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo”.