UNOPS discute em Florianópolis qualidade das instalações do sistema socioeducativo

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O especialista em gestão de projetos e ponto focal em Justiça e Cidadania do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) na América Latina, Jack Camelq, participou na sexta-feira (23) de debate em Florianópolis (SC) sobre perspectivas para o sistema socioeducativo em meio fechado no Brasil.

Na ocasião, Camelq explicou que o UNOPS tem contribuído com o Ministério de Direitos Humanos para a redução do custo de obra de unidades de internação socioeducativa, preservando a qualidade do atendimento do sistema.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O especialista em gestão de projetos e ponto focal em Justiça e Cidadania do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) na América Latina, Jack Camelq, participou na sexta-feira (23) de debate em Florianópolis (SC) sobre perspectivas para o sistema socioeducativo em meio fechado no Brasil.

O evento faz parte do Encontro Estadual dos Promotores de Justiça da Infância e Juventude, da Educação e de Família, promovido pelo Ministério Público de Santa Catarina. O encontro teve o objetivo de discutir ideias, propostas e desafios da atuação na área dos direitos das crianças e adolescentes.

Na discussão sobre os panoramas e as perspectivas para o sistema socioeducativo em meio fechado no Brasil e em Santa Catarina, estavam presentes o diretor do Departamento de Administração Socioeducativa (Dease), Zeno Tressoldi, e o coordenador-geral do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), Guilherme Astolfi Caetano Nico.

Jack Camelq, do UNOPS, falou sobre o estudo de impacto de engenharia financeira no sistema socioeducativo. “O UNOPS vem contribuindo com o Ministério de Direitos Humanos na redução do custo de obra de uma unidade de internação socioeducativa, preservando a qualidade do atendimento do sistema”, explicou o especialista.

Camelq lidera o projeto de assistência técnica em monitoramento em administração de obras públicas, fazendo a integração e articulação entre o Ministério de Direitos Humanos e os estados para o fortalecimento do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE).

O escopo de trabalho abrange a análise arquitetônica em conformidade com os parâmetros propostos; compatibilização de projetos complementares; revisão de orçamento; acompanhamento do processo licitatório e monitoramento e suporte na construção; além de um estudo de projeção financeira para os próximos dez anos no sistema socioeducativo dos estados, com base ao levantamento do SINASE e do CNMP, objeto da apresentação e discussão da mesa.

A assistência técnica prestada pelo organismo envolve ainda a transmissão de conhecimentos em temas de gerenciamento de obras públicas por meio de seminários e treinamentos. A cooperação também contribuiu para a elaboração de um Caderno de Parâmetros para a Arquitetura Socioeducativa, ainda não publicado.


Mais notícias de:

Comente

comentários