UNODC e PF discutem novas parcerias e cooperação internacional

A diretora do escritório de ligação e parceria do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil, Elena Abbati, participou no fim de janeiro (24) de reunião com o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, para identificar prioridades nacionais e discutir parceria e cooperação entre as duas instituições.

Segundo Valeixo, parcerias já realizadas entre UNODC e PF trouxeram resultados concretos e consolidaram áreas estratégicas de interesse comum. Foto: Polícia Federal

Segundo Valeixo, parcerias já realizadas entre UNODC e PF trouxeram resultados concretos e consolidaram áreas estratégicas de interesse comum. Foto: Polícia Federal

A diretora do escritório de ligação e parceria do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil, Elena Abbati, participou no fim de janeiro (24) de reunião com o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, para identificar prioridades nacionais e discutir parceria e cooperação entre as duas instituições.

Segundo Valeixo, parcerias já realizadas entre UNODC e PF trouxeram resultados concretos e consolidaram áreas estratégicas de interesse comum — precursores químicos, monitoramento de cultivos, cooperação prestada, perícia criminal, crimes financeiros, entre outros. “A PF conduz operações em vários países do mundo e é sempre importante fortalecer essas ações com a ajuda da ONU para dar suporte político ao trabalho”, afirmou.

Recém-chegada ao Brasil, Abatti destacou que o Pacote Anticrime recentemente adotado, assim como o Plano Nacional de Segurança Pública, incluem assuntos cobertos pelo mandato do UNODC. Ela também cumprimentou o trabalho conduzido pela PF no aumento da apreensão de cocaína em 2019.

Ao comentar a cooperação internacional no combate ao tráfico de drogas, Abbati citou o Programa de Comunicação Aeroportuária (Aircop), implementado pelo UNODC em parceria com a Interpol e a Organização Mundial das Aduanas (OMA).

“O UNODC facilitou a cooperação internacional no âmbito de operações conjuntas entre Brasil, Costa do Marfim, França, Guiné-Bissau e Itália e agradeceu a PF pela cooperação prestada”, comentou.

De acordo com Valeixo, como as organizações criminosas atuam em diferentes países, os instrumentos da Interpol e da ONU têm grande importância.

Também participaram do encontro, por parte da Polícia Federal, o diretor de Investigação e Combate ao Crime Organizado, Igor Romário de Paula, e a coordenadora de Relações Internacionais, Silvia Amélia.

Para Igor Paula, há espaço para avançar no enfrentamento ao tráfico de drogas e no combate à corrupção. “Nossa intenção é mantermos e fortalecermos a parceria com o UNODC”, enfatizou.

Silvia Amélia destacou a importância da parceria da PF com a agência das Nações Unidas. “O UNODC é um parceiro que podemos trabalhar em muitas frentes”, disse.

A diretora do UNODC acolheu as perspectivas de trabalho conjunto nas áreas de combate ao tráfico de drogas, ao tráfico de armas, ao crime organizado, fiscalização nas fronteiras, além da cooperação policial internacional. Também propôs atuar em conjunto em projetos de interesse das duas instituições.

Sobre o AIRCOP – Programa de Comunicação Aeroportuária

O AIRCOP é uma iniciativa de UNODC, Interpol e OMA, cujo objetivo é criar grupos operativos para fortalecer as capacidades dos aeroportos internacionais participantes em África, América Latina, Caribe e Oriente Médio.

A intenção é detectar e apreender drogas, outros bens ilícitos e passageiros de alto risco, incluindo combatentes terroristas estrangeiros, nos países de origem, trânsito e destino, para desmantelar redes criminais ilícitas. O AIRCOP é componente-chave para uma abordagem integrada na administração do controle de fronteiras.

Em 2016, o UNODC assinou acordo de cooperação com a PF para facilitar a assistência mútua entre o AIRCOP e o Programa Internacional de Cooperação Policial em Aeroportos (Intercops), desenvolvido pela Polícia Federal.