UNICEF pede que cem meninas sequestradas de escola na Nigéria sejam soltas imediatamente

O nordeste da Nigéria tem sofrido ataques de militantes islâmicos que têm com alvo civis, membros de instituições governamentais e cidadãos estrangeiros.

Desde junho de 2013 ataques a escolas forçaram seu fechamento, deixando centenas de crianças nigerianas sem educação. Foto: UNICEF/NYHQ2007-0515/Nesbitt

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) condenou, nesta quarta-feira (16), o sequestro de cerca de cem meninas de uma escola, no nordeste da Nigéria, e pediu sua libertação imediata e incondicional. As meninas, que têm entre 12 e 17 anos, também moravam no local. O sequestro ocorreu horas depois de mais de 70 pessoas terem sido mortas em um ataque a bomba em uma estação de ônibus no bairro Nyanyan, perto da capital, Abuja.

“O UNICEF está profundamente preocupado com a persistente tendência de ataques a escolas na Nigéria”, afirmou o diretor regional da agência para África Ocidental e Central, Manuel Fontaine, após o sequestro das meninas em Chibok, no estado de Borno, na segunda-feira (14) à noite.

“Tais atos brutais de violência são inaceitáveis​​”, disse Fontaine. “Ataques a escolas violam o direito das crianças a aprender em um ambiente seguro, e podem roubar o futuro das crianças. Onde quer que ele ocorra, sequestro de crianças é um crime ilegal sob a lei internacional.”

O nordeste da Nigéria tem sofrido com ataques de militantes islâmicos que, no passado, tiveram com alvo civis, incluindo estudantes, religiosos, políticos, membros de instituições governamentais e cidadãos estrangeiros.