UNICEF pede proteção de civis após ataque mortal próximo à capital do Iêmen

Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) pediu que as partes envolvidas em conflito no Iêmen protejam as crianças e ponham fim aos atentados às infraestruturas civis.

Jovem iemenita olhando para sua casa em Sanaa, no Iêmen, depois de ter sido atingida por um ataque aéreo em abril de 2015. Foto: UNICEF / Ahmed Jahaf

Jovem iemenita olhando para sua casa em Sanaa, no Iêmen, depois de ter sido atingida por um ataque aéreo em abril de 2015. Foto: UNICEF / Ahmed Jahaf

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) pediu nesta quarta-feira (11) que as partes envolvidas em conflito no Iêmen protejam as crianças e ponham fim aos atentados às infraestruturas civis.

Na última terça-feira (10), ataques contra uma escola próxima a Sanaa, capital do país, deixaram uma menina morta e quatro pessoas feridas.

“As escolas devem ser zonas de paz em todos os momentos. Um santuário onde as crianças possam aprender, crescer, brincar e ficar seguras. Os menores nunca devem enfrentar riscos apenas por frequentarem o colégio”, disse o representante do UNICEF no Iêmen, Meritxell Relaño, em comunicado à imprensa.

Desde a escalada dos conflitos, em março de 2015, a ONU estima que 1.400 crianças foram mortas e pelo menos 2.140 ficaram feridas.

Além das vítimas, quase 2 mil colégios no Iêmen foram danificados ou destruídos, ou estão sendo usados para fins militares.

“Os ataques de 10 de janeiro no distrito de Nihm são os mais recentes exemplos de crianças testemunhando a morte, a guerra e a destruição em vez de aprender”, frisou Relaño.