UNICEF pede implementação de protocolo para proteger crianças migrantes no México

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou no último sábado (1) que cerca de 700 crianças estão entre as 2.000 pessoas presas, segundo estimativas, na cidade de Matamoros, na fronteira com o México. Em meio à insegurança e outras dificuldades, os migrantes buscam asilo nos Estados Unidos.

A agência está expandindo os serviços para crianças e famílias e algumas vêm esperando há semanas ou até meses. Ao mesmo tempo, o UNICEF está pedindo a rápida implementação do Protocolo para a Proteção das Crianças Migrantes. Desenvolvido pelo governo, o documento estabelece as intervenções necessárias que as instituições devem realizar para garantir os direitos das crianças migrantes que entram no território mexicano.

Crianças brincam em espaço apoiado pelo UNICEF no Estádio Jesús Martínez ‘Palillo’, um abrigo temporário na Cidade do México, em novembro de 2018. Foto: UNICEF/Luis Kelly

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou no último sábado (1) que cerca de 700 crianças estão entre as 2.000 pessoas presas, segundo estimativas, na cidade de Matamoros, na fronteira com o México. Em meio à insegurança e outras dificuldades, os migrantes buscam asilo nos Estados Unidos.

A agência está expandindo os serviços para crianças e famílias e algumas vêm esperando há semanas ou até meses. Ao mesmo tempo, o UNICEF está pedindo a rápida implementação do Protocolo para a Proteção das Crianças Migrantes. Desenvolvido pelo governo, o documento estabelece as intervenções necessárias que as instituições devem realizar para garantir os direitos das crianças migrantes que entram no território mexicano.

“É importante que o Protocolo para a Proteção das Crianças Migrantes seja implementado pelo governo do México o mais rápido possível”, disse Pressia Arifin-Cabo, representante adjunta do UNICEF México.

“Estamos monitorando em tempo real a situação das crianças e adolescentes migrantes em Matamoros e precisamos garantir que eles sejam protegidos desde seu local de origem, durante o trajeto e em direção ao seu destino final. Precisamos agir agora porque as crianças não podem esperar.”

O UNICEF está apoiando as famílias através de várias ações, como a criação de espaços adequados para crianças, apoio psicossocial e a coordenação dos serviços de água, saneamento e higiene. Os funcionários também estão trabalhando para proteger as crianças migrantes e manter as famílias unidas.