UNICEF pede a companhias aéreas que reduzam preços para enviar alimentos ao Chifre da África

Cerca de 2,3 milhões de crianças desnutridas podem morrer nas próximas semanas se não receberem alimentos, segundo agência.

Refugiados somalis no Quênia

A porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Marixie Mercado, pediu nesta terça-feira (02/08) que o setor de transporte aéreo forneça espaço de carga livre de taxas ou com desconto para levar suprimentos emergenciais ao Chifre da África. Mercado afirmou que mais da metade das 2,3 milhões de crianças desnutridas podem morrer nas próximas semanas se não receberem alimentos.

Segundo a agência, as companhias British Airways, Lufthansa, UPS Virgin e Cargolux já colaboraram com o pedido, e o UNICEF solicitou que outras companhias auxiliem no transporte de ajuda alimentar da Europa para a África. A cada mês, o UNICEF tem cerca de 5 mil toneladas de alimentos para serem deslocados de armazéns na Bélgica, França e Itália – o suficiente para alimentar 300 mil crianças desnutridas.

Mercado afirmou que estes alimentos têm de ser levados a Nairóbi (Quênia) o mais rápido possível, mas ressaltou que o transporte aéreo comercial tem um custo extremamente alto.

A outra alternativa seria transportar os alimentos pelo mar. Para isto, o UNICEF está estabelecendo uma tubulação, o que pode levar algumas semanas.