UNICEF nomeia Carlos Alberto Parreira ‘Campeão pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo’

Com a nomeação, Parreira passa a fazer parte do time de celebridades que apoiam o trabalho do UNICEF na defesa e promoção dos direitos da infância e da adolescência.

parreira2-1O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) nomeou, nesta quinta-feira (22), o coordenador técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Carlos Alberto Parreira, “Campeão do UNICEF pelo Esporte Seguro e Inclusivo”. Com a nomeação, Parreira passa a fazer parte do time de celebridades que apoiam o trabalho do UNICEF no Brasil na defesa e promoção dos direitos da infância e da adolescência.

“Para nós, do UNICEF, é uma grande honra e alegria ter Parreira como aliado pelos direitos de todas as crianças e todos os adolescentes. Acreditamos que a paixão pelo futebol e a vibração da torcida brasileira podem unir mais e mais pessoas para que o direito ao esporte seja garantido, de forma segura e inclusiva, na vida de todos os meninos e meninas”, diz Gary Stahl, representante do UNICEF no Brasil.

“O futebol inspira nossas crianças. A bola hipnotiza. Venho do subúrbio do Rio de Janeiro. Estudei numa escola em que não havia quadra. Fico feliz de estar trabalhando com o UNICEF para a promoção e proteção dos direitos da infância”, afirmou Parreira.

A nomeação de Parreira ocorreu durante o lançamento do programa Educar pelo Futebol – Meu time é nota 10, do qual o coordenador técnico é padrinho. Uma parceria entre o UNICEF e a Universidade do Futebol, com o apoio da Fundação FC Barcelona, a iniciativa é um programa de capacitação online para treinadores e gestores de clubes de futebol, treinadores em escolinhas de futebol, agentes sociais e comunitários e professores da rede escolar.

A ideia é prepará-los para ministrar aulas de futebol com fins educativos, com foco na melhoria da qualidade de vida das crianças e dos adolescentes. Além dos fundamentos da modalidade (técnica, tática, inteligência coletiva de jogo, etc.), o conteúdo do programa aborda temas como direito ao esporte seguro e inclusivo, trabalho em equipe, solidariedade, liderança, autonomia, senso crítico e respeito aos companheiros e adversários, entre outros. A capacitação é gratuita e tem a duração de três meses.

Ao final do curso, os participantes receberão certificado do UNICEF, Universidade do Futebol e Fundação Barcelona. Para o diretor da Universidade do Futebol, Eduardo Tega, o futebol tem potencial para produzir muito mais do que craques e títulos mundiais. “Há milhões de praticantes de futebol, mas apenas uma a cada 3 mil crianças atinge o esporte de alto rendimento, gerando muito mais frustrações do que talentos. Por isso, aqueles que ensinam futebol não podem só valorizar o rendimento, deixando de lado valores fundamentais para a formação e desenvolvimento humanos”.