UNICEF: Mais de 22 mil crianças estão ameaçadas de sofrer desnutrição aguda no Mali

Neste ano, 108 mil crianças menores de cinco anos de idade foram internadas em unidades de reabilitação nutricional. O UNICEF afirma que apenas um quarto do financiamento necessário para ajudar a situação nutricional no país foi assegurado.

Crianças deslocadas em Bamako, capital do Mali, comem uma refeição de boas-vindas. Foto: ACNUR/H. Caux

Crianças deslocadas em Bamako, capital do Mali, comem uma refeição de boas-vindas. Foto: ACNUR/H. Caux

Uma pesquisa de nutrição e mortalidade realizada pelo Ministério da Saúde do Mali e seus parceiros – incluindo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) – constatou que a taxa de desnutrição aguda global na região de Gao, no norte do Mali, é de 13,5%, o que, de acordo com a classificação da ONU, torna a situação nutricional grave.

Durante os próximos seis meses, 22.730 crianças estarão em risco de sofrer desnutrição aguda, advertiu o UNICEF em um comunicado à imprensa.

“A situação nutricional em Gao merece atenção especial. Medidas devem ser tomadas agora para que as crianças que podem ser salvas não sejam deixadas para morrer e para que novos casos possam ser prevenidos”, disse o coordenador de ação humanitária para o Mali, David Gressly, durante uma visita a Gao nesta terça-feira (23).

Duas outras pesquisas – no norte e no sul do país – serão realizadas para que as tendências de nutrição sejam avaliadas para melhor direcionar as necessidades e priorizar a alocação de recursos.

Neste ano, 108 mil crianças menores de cinco anos foram internadas em unidades de reabilitação nutricional em todo o país com a ajuda do Governo, do UNICEF e parceiros humanitários.

O UNICEF afirmou que 80 milhões de dólares são necessários para atender necessidades nutricionais de todo o país. Até o momento, apenas um quarto deste financiamento foi assegurado. Até o dia 22 de julho, a campanha para o Mali mobilizou 142 milhões, apenas 30% do valor total de 476 milhões de dólares.