UNICEF: Jovens voluntários promovem a prevenção do HIV entre adolescentes no Brasil

Rodrigo Xavier tem 18 anos e já tem uma “carreira” como um defensor da saúde desde 11 anos. Foto: UNICEF Brasil

Desde os 11 anos, Rodrigo Xavier promove a prevenção e promoção de saúde através de projetos apoiados pelo Fundo da ONU para a Infância (UNICEF). Agora com 18 anos, ele é voluntário do projeto-piloto do UNICEF, conhecido no Brasil como “Fique Sabendo Jovem”, que promove a saúde e informações sobre a prevenção do HIV e doenças sexualmente transmissíveis. Globalmente, as mortes relacionadas com a aids caíram, em geral, 30% entre 2005 e 2012, mas aumentaram em 50% entre os adolescentes entre 10 a 19 anos no mesmo período. 

“Eu me interessei por problemas de saúde quando era muito jovem”, explica Rodrigo. “Quando eu tinha 2 anos de idade, eu tive pneumonia duas vezes. Na segunda vez, eu quase morri, mas sobrevivi e talvez seja por isso que eu goste de ajudar outras pessoas a aprender sobre a saúde”, acrescentou.

O programa visita centros educacionais para adolescentes em conflito com a lei para compartilhar informações de saúde e explicar a importância de fazer testes para doenças como o HIV. Além disso, ele também oferece testes voluntários para HIV, sífilis e hepatites virais entre os jovens de 15 a 24 anos de idade em Fortaleza. 

“Temos uma unidade móvel de saúde que oferece testes de HIV e aconselhamento em vários locais da cidade”, diz Rodrigo. “Vários voluntários também têm ido aos centros educacionais para adolescentes em conflito com a lei e ao carnaval de Fortaleza para compartilhar informações de saúde e explicar ao jovens a importância do teste para prevenir doenças”, acrescentou.

Recentemente, em uma visita do programa ao Centro Educacional Aldaci Barbosa Mota para Adolescentes em Conflito com a Lei em Fortaleza, todas as meninas que participaram – mais de 70 – decidiram fazer o teste rápido de HIV. “Foi importante para mim fazer o teste apenas para saber”, diz Maria (*). “Agora todos sabemos como estamos e como vamos nos proteger de doenças como HIV e sífilis. São informações muito importante para nós”, acrescentou.

(*) O nome foi alterado.