UNICEF e parceiros apoiam mais de 1,7 milhão de pessoas em 10 capitais brasileiras na pandemia

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 19 empresas parceiras, celebridades, organizações da sociedade civil e governos locais se uniram para apoiar mais de 1,7 milhão de pessoas vulneráveis em dez capitais brasileiras.

As ações ocorrem por meio da distribuição de produtos de higiene, limpeza e outros itens essenciais, acompanhados de informação de prevenção para as famílias.

Foto: UNICEF/Raoni Libório

Foto: UNICEF/Raoni Libório

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), 19 empresas parceiras, celebridades, organizações da sociedade civil e governos locais se uniram para apoiar mais de 1,7 milhão de pessoas vulneráveis em dez capitais brasileiras.

As ações ocorrem por meio da distribuição de produtos de higiene, limpeza e outros itens essenciais, acompanhados de informação de prevenção para as famílias.

As entregas desses itens começaram logo nos primeiros momentos da pandemia no Brasil, no final do mês de março, e seguirão até pelo menos o mês de julho.

Esse esforço conjunto tem como objetivos contribuir para a prevenção e o controle da COVID-19 no país e mitigar os impactos da epidemia na vida de crianças, adolescentes e famílias que mais precisam.

“Criamos uma ação coordenada entre empresas, organizações sociais e governos locais para fazer com que as doações cheguem rápido a famílias que estão precisando. Sabemos que a pandemia tem acentuado ainda mais a situação de vulnerabilidade de crianças e adolescentes que já viviam em risco. Alavancar uma rede de doações é uma forma de chamar atenção para a importância de assegurar itens críticos para a saúde das famílias”, explica Florence Bauer, representante do UNICEF no Brasil.

Os itens recebidos são fundamentais na prevenção contra o novo coronavírus. São milhões de unidades de sabonetes, toneladas de álcool em gel, além de produtos como detergentes, água sanitária, sabão em barra, máscaras, entre outros. Muitas doações incluíram, ainda, água mineral e toneladas de alimentos.

Doados por empresas e distribuídos com a ajuda de ONGs, prefeituras e instituições locais, os produtos já estão chegando a quem mais precisa nas periferias das cidades de Belém (PA), Boa Vista (RR), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Manaus (AM), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA) e São Paulo (SP) desde março.

Até o fim de maio, 320 mil pessoas já tinham sido contempladas e as doações chegarão a 1,7 milhão até julho. Junto com elas, estão sendo entregues folhetos com orientações às famílias sobre como se prevenir da COVID-19 e cuidar das crianças e dos adolescentes.

O esforço alcançou, por exemplo, a casa de Leda Vitória, no bairro Vila Yolanda, zona leste de São Paulo. Impossibilitada de exercer o trabalho de diarista por conta da pandemia, ela conta que tem tido dificuldade para comprar mantimentos para os dois filhos. “Eu estava precisando muito do álcool gel, porque agora ficou caro e a gente não consegue mais comprar”, disse ela, agradecendo a doação.

União de esforços para alcançar quem mais precisa

As empresas Arcom, Asseptgel, Colgate, Embelezze, Granado, Johnson & Johnson, por meio da marca Johnson’s, Americanas, Natura, Nívea, Ipiranga/Iconic, Unilever e Rede Dia são responsáveis pelas doações dos itens de higiene, limpeza e água.

As máscaras foram recebidas pelo UNICEF das empresas Cecília Prado e Sacaria. As toneladas de alimentos foram doadas por Camil e Cooperja. Outras doações também foram recebidas da Sonne Energia Solar. Parte das doações chegaram via empresas mobilizadas por meio de shows promovidos ao vivo na Internet pelos cantores Luan Santana e Michel Teló.

O UNICEF teve ainda a parceira da Saint-Gobain, Ciclo Logística e Americanas para a logística e transporte de algumas doações até as localidades atendidas.

Para as doações alcançarem as famílias que mais precisam, o Fundo conta com a parceria de diversas organizações sociais em cada cidade atendida. A elas se unem prefeituras e secretarias de diferentes cidades (confira a lista aqui).

Ter acesso a itens críticos de higiene e limpeza é um direito de cada criança, adolescente e família diante da epidemia da COVID-19. Além de os problemas trazidos pela pandemia, o Brasil já enfrenta sérios desafios relacionados a acesso a água, higiene e saneamento.

Em todo o país, 100 milhões de pessoas não têm acesso à coleta e ao tratamento de esgoto e 35 milhões não possuem água tratada. A falta desse acesso é pior entre famílias de baixa renda e para os cerca de 13 milhões de pessoas que vivem nas periferias urbanas e favelas.

Resposta à COVID-19

A entrega de doações faz parte da resposta do UNICEF à COVID-19, mas a estratégia não se limita a isso. Ao mesmo tempo em que busca responder às necessidades emergenciais de crianças, adolescentes e suas famílias, o UNICEF tem trabalhado em ações estruturais de longo prazo para minimizar os efeitos da pandemia na vida de meninas e meninos, e garantir direitos.

Entre as ações, destacam-se o fornecimento de informação à população em geral, em especial grupos mais vulneráveis, com a distribuição de orientações de prevenção da doença em diversas mídias; o trabalho com governos nos níveis federal, estadual e municipal, empresas e sociedade civil para diminuir o impacto da crise nos serviços de saúde, educação, assistência social e proteção contra a violência de meninos e meninas; e o apoio à saúde mental de adolescentes e o monitoramento da situação e o impacto social da pandemia para produzir evidências em apoio a políticas e ações.

Para saber mais sobre a resposta, confira as 10 ações do UNICEF para responder ao coronavírus no Brasil.