UNICEF e OMS apontam aumento no número de imunização de crianças no mundo

Número de países que alcançou 90% de cobertura da vacina DTP3 dobrou em relação a 2000, de acordo com os últimos dados divulgados pelas duas agências das Nações Unidas.

Na República Centro-Africana (RCA), uma enfermeira vacina um bebê em uma vila ao longo do rio Oubangui, que divide o país da República Democrática do Congo (RDC). Foto: UNICEF / Sebastian Rico

Na República Centro-Africana (RCA), uma enfermeira vacina um bebê em uma vila ao longo do rio Oubangui, que divide o país da República Democrática do Congo (RDC). Foto: UNICEF / Sebastian Rico

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) confirmaram que o número de países que alcançaram e sustentaram 90% de cobertura de vacina para as crianças com as necessárias três doses da vacina DTP3 – contra difteria, tétano e coqueluche – dobrou desde 2000, de acordo com comunicado de imprensa emitido nesta quinta-feira (16).

Em 2000, 21 milhões de crianças não receberam sequer a primeira dose de DTP, número que caiu agora para 12 milhões, segundo a OMS e o UNICEF. Embora os números indiquem um surpreendente sucesso no combate à doença da infância em todo o mundo, as agências da ONU alertaram que muitas nações ainda estão atrasadas no cumprimento dos seis objetivos do Plano de Ação Global de Vacinas (GVAP) sancionado pela OMS. Entre eles, a República Centro-Africana, Chade, Guiné Equatorial, Somália, Sudão do Sul e Síria com menos de 50% de cobertura da DTP3.

De acordo com o comunicado de imprensa, além das imunizações DTP3, as novas estatísticas também mostram que a cobertura com outras vacinas essenciais também melhoraram, como a contra a hepatite B, que em 2000 alcançava apenas 30% das crianças com as três doses, número que subiu para 82% em 2014.