UNICEF diz que só 10% das crianças no Iraque têm acesso pleno a serviços básicos

5,3 milhões de pessoas com idade inferior a 18 anos são privadas dos direitos e serviços mais elementares.

(PAM/Abeer Etefa)A pesquisa mais abrangente sobre a situação das mulheres e crianças no Iraque mostra que 32% das crianças com menos de 18 anos estão sem acesso a muitos serviços básicos, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). O levantamento, divulgado hoje (12) pelo Governo do Iraque e o UNICEF, afirma que existem “grandes” disparidades em termos de acesso a cuidados de saúde e nutrição, educação, água e saneamento, proteção, abrigo e serviços de informação.

De acordo com a pesquisa, 10% das crianças do Iraque – 1,7 milhão – têm acesso a todos os serviços e direitos básicos, enquanto 32% – 5,3 milhões – foram privadas de vários ao mesmo tempo.

O levantamento também descobriu que para cada mil crianças nascidas vivas, 32 morrem no primeiro ano, o que se traduz em cerca de 35 mil mortes infantis a cada ano. Uma em cada quatro crianças tem seu desenvolvimento físico e intelectual prejudicado devido à subnutrição.

Além disso, enquanto cerca de 9 em cada 10 crianças se inscrevem para frequentar a escola primária, apenas quatro completam o ciclo no tempo adequado, e 1 em cada 3 crianças – 3,3 milhões – estão submetidas a violentos métodos de disciplina.

“Com esta evidência clara de onde o progresso das crianças iraquianas pode ser feito, o UNICEF espera apoiar o Governo a desenvolver políticas sociais, planos e intervenções nacionais que concretamente atendam às necessidades de todos os filhos do Iraque, especialmente os 5,3 milhões mais desfavorecidos e marginalizados”, disse o representante do UNICEF no Iraque, Marzio Babille.