UNICEF: Crianças visitam centro de treinamento da seleção brasileira de futebol

Ação marca o lançamento de campanha do Fundo das Nações Unidas para a Infância pelo direito ao esporte. Crianças convidam os jogadores a participar da campanha.

Ação marca o lançamento de campanha do Fundo das Nações Unidas para a Infância pelo direito ao esporte. Crianças convidam os jogadores a participar da campanha.

Foto: UNICEF

Foto: UNICEF

Um grupo de 30 crianças e adolescentes, que fazem parte de projetos de organizações parceiras do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), visita nesta quinta-feira (5) a seleção brasileira de futebol, na Granja Comary. No encontro, eles convidarão os craques da seleção a participar da campanha “Podemos ser ainda melhores”, pela garantia do direito ao esporte a todos os meninos e meninas.

Após assistir ao treino, as crianças vão interagir com os jogadores. Ao final, entregarão uma camiseta da campanha, o Manifesto do UNICEF pelo Direito ao Esporte e desenhos feitos por elas com seus desejos de sucesso para a seleção brasileira na Copa do Mundo.

Os meninos e meninas são das comunidades do Morro dos Prazeres e do Complexo do Alemão, na cidade do Rio de Janeiro, e do município de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio.

A campanha “Podemos ser ainda melhores”, lançada também nesta quinta nas mídias sociais, faz parte da estratégia do UNICEF de utilizar a paixão pelo futebol e os esportes para construir uma cultura de respeito aos direitos de todas as crianças e adolescentes. Por esse motivo, o Fundo também nomeou o coordenador técnico da seleção brasileira de futebol, Carlos Alberto Parreira, como Campeão do UNICEF pelo Direito ao Esporte Seguro e Inclusivo, e tem parcerias com os clubes brasileiros Flamengo e Santos.

Criada pro bono para o UNICEF pela agência Ogilvy, a campanha aproveita o contexto da Copa do Mundo para convidar cada país participante dos jogos a uma conquista diferente: a estrela do UNICEF, que representa o compromisso de trazer mais vitórias para a infância.

Direito ao Esporte

No Brasil, o esporte é um direito reconhecido por lei. Entretanto, nem todas as crianças e adolescentes têm acesso a ele. Apenas uma em cada três escolas de ensino fundamental do País possuem quadras esportivas, por exemplo. Nas regiões Norte e Nordeste, essa relação é ainda menor: apenas uma em cada dez escolas tem o equipamento.

“O Brasil tem avançado muito no campo dos direitos da infância, entretanto, na área do esporte, ainda temos desafios que precisam ser superados. O UNICEF acredita que podemos ser ainda melhores, assegurando que todas as crianças e todos os adolescentes possam brincar e praticar esportes em espaços seguros e adequados, com educadores bem preparados, de acordo com sua idade e condição física”, afirma o representante do UNICEF no Brasil, Gary Stahl.

Gary lembra ainda que o esporte contribui com a garantia de outros direitos, como o de aprender e permanecer na escola, de se desenvolver de forma saudável, de crescer sem violência, de contribuir com a superação de conflitos e preconceitos presentes na vida de milhares de meninos e meninas.

Esta campanha soma-se à mobilização global para a prevenção da violência contra crianças e adolescentes durante a Copa, lançada no mês passado pelo UNICEF. A mobilização promove o aplicativo “Proteja Brasil” – para smartphones e tablets. O aplicativo mostra quais são as violações que crianças e adolescentes podem estar sujeitos e onde as pessoas podem fazer denúncias caso presenciem algumas dessas violações.