UNICEF capacita 99 municípios do Pará, Amazonas e Maranhão para promover direitos da criança

Saneamento básico, combate ao Aedes aegypti e à epidemia de zika e consultas à população foram destaque dos eventos de formação, que reuniram 200 representantes das cidades nas capitais de cada estado.

Saneamento básico em municípios da Amazônia foi tema de ciclo de capacitação promovido pelo UNICEF em parceria com os estados do Pará, Amazonas e Maranhão. Foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr

Saneamento básico em municípios da Amazônia foi tema de ciclo de capacitação promovido pelo UNICEF em parceria com os estados do Pará, Amazonas e Maranhão. Foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr

Na semana passada, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) capacitou 200 representantes de 99 municípios do Pará, Amazonas e Maranhão a fim de promover boas práticas voltadas para as crianças e jovens. Saneamento básico, combate ao Aedes aegypti e à epidemia de zika e consultas à população foram destaque dos eventos de formação.

Realizadas nas respectivas capitais e em parceria com os governos estaduais, as palestras foram oferecidas no âmbito do quarto e último Ciclo de Capacitações do Selo UNICEF Município Aprovado na Amazônia.

Nesses estados, 211 municípios ainda não obtiveram o reconhecimento do Fundo da ONU, que busca estimular e reconhecer mudanças concretas e positivas na vida dos meninos e meninas nos municípios da região. Os eventos reuniram articuladores da iniciativa do UNICEF e presidentes dos Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

Para a coordenadora do escritório do UNICEF em São Luís, Eliana Almeida, “cada uma das etapas do Selo tem um propósito. É fundamental fazer com que diferentes atores – gestores, conselheiros, lideranças e famílias – entendam que garantir os direitos de crianças e adolescentes exige um trabalho com várias dimensões, desde a melhoria na oferta de serviço até a mobilização social de todos. Este é o propósito do Selo”.

No primeiro dia de capacitação (5), foi explicada a nova atividade proposta no Eixo de Participação Social de Combate ao Aedes aegypti, na qual os municípios precisam apresentar as suas estratégias desenvolvidas para a eliminação do vetor da dengue, da zika e da chikungunya.

A representante da Coordenação Estadual de Controle da Dengue, Zika e Chikungunya da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará, Heloisa Costa, destacou que “no dia a dia, não conseguimos chegar aos 144 municípios”. Daí, a importância de um evento como a capacitação promovida pelo UNICEF.

“Precisamos envolver todos os que fazem parte da gestão municipal, porque as Secretarias Municipais de Saúde sozinhas não conseguem dar conta de todo o trabalho de prevenção e combate. É preciso apoio da Educação, da Assistência Social, do Saneamento, do Meio Ambiente, enfim, de todas as áreas”, explicou.

“A capacitação é sempre um acúmulo de novos conteúdos. Essas informações sobre o Aedes aegypti, por exemplo, ajudam muito, porque a imprensa já está diminuindo a divulgação, então a gente nem fica sabendo realmente como está o surto”, avaliou a articuladora do Selo UNICEF em Santa Cruz do Arari, no Pará, Brenda Portal.

A presidente do CMDCA de Nova Olinda do Norte, no Amazonas, Edimara Andrade, está grávida e ficou muito feliz com a formação que recebeu em Manaus.

“Agora nós fomos capacitados como brigadistas no combate ao mosquito e é muito importante que nós tenhamos os cuidados necessários e apoiemos a campanha”, disse. Nova Olinda do Norte está organizando a Semana do Bebê e vai destacar, na programação, a prevenção do zika entre as gestantes como forma de prevenir a microcefalia.

Na programação, também teve destaque a metodologia do 2° Fórum Comunitário, etapa de avaliação qualitativa que os municípios devem realizar até 30 de julho e durante a qual a sociedade dirá o que pensa sobre as políticas públicas municipais realizadas para a infância e adolescência nos últimos anos.

O integrante da equipe de articulação do Selo UNICEF de Serra do Maranhão, Laurenilson Rocha, afirmou que com a capacitação ele se sente preparado para as novas etapas do projeto.

“As capacitações são norteadoras do nosso trabalho. Agora, sabemos como realizar o 2° Fórum e também adquirimos outros conhecimentos que vamos levar para os municípios e que vão ajudar nas ações para melhorar a vida das crianças”, afirmou.

Além desses temas, foram apresentadas aos articuladores e representantes municipais informações sobre limpeza e drenagem de lixo, manejo de resíduos sólidos, tratamento de água e esgotamento sanitário.

Segundo o coordenador do escritório do UNICEF em Belém, Fabio Morais, que ministrou a palestra na capital paraense, é fundamental que esses atores compreendam o que é saneamento básico e a necessidade de um trabalho articulado entre as secretarias. “Podemos fazer uma grande diferença na gestão do ambiente urbano se envolvermos aqueles que atuam nas políticas sociais com o trabalho de mudança de hábitos da sociedade”, disse.

Ao longo da capacitação, os participantes conheceram a estratégia do UNICEF para o Dia Mundial de Lavar as Mãos, celebrado em 15 de outubro, que pode ser usada nos municípios para destacar a necessidade de boas práticas de higiene para evitar doenças como a diarreia, que ainda acometem grande parte da população de até seis anos na Amazônia.

Ao longo do mês de abril e até o início de maio, o Selo UNICEF promoverá ciclos de formação em outros estados, como Rondônia, Roraima, Acre, Amapá e Mato Grosso.