UNICEF: ataque aéreo no noroeste da Síria deixa pelo menos 7 crianças mortas

Informações da imprensa apontam que pelo menos 20 civis perderam a vida durante ataque no sábado (6) liderado por forças do governo.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), desde o início de 2019, pelo menos 140 crianças foram mortas no noroeste da Síria.

Menino sírio em acampamento improvisado no vilarejo de Aqrabat, 45 km ao norte de Idlib, na Síria. Imagem de junho de 2019. Foto: UNICEF/Watad

Menino sírio em acampamento improvisado no vilarejo de Aqrabat, 45 km ao norte de Idlib, na Síria. Imagem de junho de 2019. Foto: UNICEF/Watad

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) confirmou que pelo menos sete crianças foram mortas em um ataque aéreo contra civis realizado no sábado (6), nos arredores de Idlib, noroeste da Síria. Informações da imprensa apontam que pelo menos 20 civis perderam a vida durante a ofensiva — liderada por forças do governo que usaram mísseis e as chamadas bombas de barril.

A maioria dos mortos seria de sírios internamente deslocados — indivíduos que já haviam fugido da violência anteriormente, sendo obrigados a deixar suas comunidades por causa dos confrontos.

“Essa mais recente atrocidade se soma aos crescentes óbitos de crianças causados pela violência que se intensificou ao longo das últimas poucas semanas, incliundo em Al Wadihi, no sul de Idlib, e no norte de Alepo e de Hama”, afirmou a chefe do UNICEF, Henrietta Fore, em pronunciamento no domingo (7).

De acordo com a agência da ONU, desde o início de 2019, pelo menos 140 crianças foram mortas no noroeste da Síria.

“O óbvio desprezo pela segurança e pelo bem-estar das crianças, evidente nesses ataques, é consternador”, acrescentou Henrietta.

“O meu coração se parte pelas jovens vidas perdidas e por todas as crianças na área que permanecem na rota do perigo.”

A dirigente pediu com urgência que todas as partes do conflito — e todos os atores com influência sobre elas — garantam que as crianças no noroeste e em toda a Síria sejam protegidas da violência contínua.


Comente

comentários