UNICEF alerta para surto de cólera no Sudão do Sul

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Com o anúncio de 29 casos suspeitos em Duk Island, no estado de Jonglei, subiu para 141 o número de pessoas infectadas com cólera no país.

Mulheres aguardando para encher os recipientes com água após o UNICEF entregar 100 mil litros de água potável. Foto: UNICEF / Irwin

Mulheres aguardando para encher os recipientes com água após o UNICEF entregar 100 mil litros de água potável. Foto: UNICEF / Irwin

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) informou na semana passada (20) que, com o anúncio de 29 casos suspeitos em Duk Island, no estado de Jonglei, subiu para 141 o número de pessoas supostamente infectadas com cólera no Sudão do Sul.

O UNICEF disse ainda que está intensificando as operações de assistência junto a parceiros para evitar um possível surto da doença no país.

Segundo a agência da ONU, o Hospital de Ensino de Juba informou que 69 novos casos suspeitos foram admitidos na quarta-feira, trazendo o número de pessoas sendo tratadas na capital para 112.

Para o representante do UNICEF no Sudão do Sul, Mahimbo Mdoe, uma resposta rápida e coordenada é essencial para evitar um surto de cólera.

Segundo ele, essa assistência já está em curso, “embora os violentos conflitos em Juba, que ocorreram há duas semanas, tenham evacuado as equipes e organizações humanitárias da capital”.

A agência da ONU está trabalhando com o Ministério da Saúde do Sudão do Sul e organizações parceiras para fornecer suprimentos médicos e saneamento, bem como para promover a sensibilização da comunidade.

O UNICEF também informou que construiu tendas de triagem para o caso de o número de doentes continuar aumentando.

Além disso, a Missão das Nações Unidas no país (UNMISS) continua abastecendo diariamente com água tratada os locais de proteção da ONU – onde milhares de civis estão acolhidos após os combates que ocorreram em Juba.

Devido à falta de equipamentos laboratoriais necessários para o diagnóstico, o número oficial de casos continua sem confirmação.


Mais notícias de:

Comente

comentários