UNICEF: 145 crianças são libertadas por grupos armados no Sudão do Sul

Esse é o maior número de crianças postas em liberdade desde 2015, quando 1.775 crianças foram libertadas na Área Administrativa da Grande Pibor. Durante a sua libertação dos grupos Cobra e SPLA, as crianças foram formalmente desarmadas e receberam roupas civis. Foram realizados exames médicos e as crianças foram registradas num programa de reintegração.

Crianças libertadas em fevereiro de 2015 em Pibor. Foto: UNICEF

Crianças libertadas em fevereiro de 2015 em Pibor. Foto: UNICEF

Cento e quarenta e cinco crianças foram libertadas nessa semana (26) por grupos armados no Sudão do Sul, anunciou por meio de um comunicado o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Esse é o maior número de crianças postas em liberdade desde 2015, quando 1.775 crianças foram libertadas na Área Administrativa da Grande Pibor.

“Nossa esperança é que a libertação de hoje seja seguida de muitas outras para que as 16 mil crianças que continuam nas forças armadas e nos grupos armados consigam regressar às suas famílias”, afirmou Mahimbo Mdoe, representante do UNICEF no Sudão do Sul.

Durante a sua libertação dos grupos Cobra e SPLA, as crianças foram formalmente desarmadas e receberam roupas civis. Foram realizados exames médicos e as crianças foram registradas num programa de reintegração.

Nos próximos meses, todas as crianças libertadas vão receber aconselhamento e apoio psicossocial. Elas serão colocadas num centro de acolhimento provisório, até que as suas famílias sejam localizadas. Depois da reunificação, as famílias das crianças receberão, por três meses, assistência alimentar bem como gado para complementar o rendimento familiar durante o processo de reintegração.

“As crianças no Sudão do Sul precisam de segurança, proteção e oportunidades”, disse Mdoe. “Nossa prioridade é colocá-las na escola e prover serviços para a comunidade para que as crianças consigam vislumbrar um futuro mais promissor.”

“Com combates em curso em todo o país, o UNICEF continua recebendo relatórios sobre o recrutamento de crianças em Unity, Jonglei e outros estados. Apelamos a todas as partes para que respeitem a legislação internacional, acabem com o recrutamento e libertem as crianças que estão atualmente servindo em suas fileiras.”

Estima-se que 16 mil crianças foram recrutadas por forças armadas e grupos armados no Sudão do Sul desde o início do conflito, em dezembro de 2013. Mais de 800 crianças devem ter sido recrutadas desde o início de 2016.

O UNICEF vem trabalhando com a Comissão de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração do Governo do Sudão do Sul para garantir a libertação e reintegração das crianças associadas a forças armadas e grupos armados e para lhes proporcionar oportunidades de subsistência e educação.

A agência da ONU precisa de 4 milhões de dólares adicionais para continuar providenciando os serviços necessários para essas crianças que foram libertadas hoje e aquelas que, espera-se, sejam libertadas no futuro.