UNIC Rio promove exposição de arte para conscientizar sobre desafios globais

Em parceria com o Centro Cultural Correios e o Instituto Claro, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) inaugurou, em 26 de setembro, a exposição Consciência. A mostra é um convite à reflexão a respeito dos desafios sociais e ambientais que enfrentamos globalmente.

As obras são do designer gráfico peruano Ivan Ciro Palomino e dialogam com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), adotados pela Assembleia Geral da ONU há quatro anos. Palomino já expôs trabalhos na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, e recebeu prêmios da organização pelas suas criações visuais provocativas.

Esta é a terceira exposição individual do artista fora do Peru, e a segunda no Brasil. As ilustrações podem ser vistas no Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro até o dia três de novembro, com entrada franca.

Ilustrações do artista Ivan Ciro Palomino impactam pela naturalidade com que expõem contradições da sociedade contemporânea. Foto: UNIC Rio | Naiara Azevedo.

Ilustrações do artista Ivan Ciro Palomino impactam pela naturalidade com que expõem contradições da sociedade contemporânea. Foto: UNIC Rio | Naiara Azevedo.

Usar a arte como um caminho para promover reflexão sobre os desafios globais da atualidade. Esse é o objetivo da exposição Consciência, organizada em parceria pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Centro Cultural Correios e Instituto Claro.

A exposição apresenta ao público carioca ilustrações criadas pelo artista peruano premiado pelas Nações Unidas, Ivan Ciro Palomino. São imagens que despertam a curiosidade pelo uso provocativo de elementos do cotidiano (uma cadeira, uma mala, ou uma piscina, por exemplo) colocados em contextos de crises climática, migratória e humanitária.

Temas como educação, refúgio, acesso à água e a recursos naturais são abordados nas 21 obras expostas no Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro, e podem ser conferidas até o dia três de novembro. A entrada é franca.

A abertura da exposição contou ainda com o apoio do Consulado Geral do Peru, que ofereceu ao coquetel com iguarias peruanas, como ceviches e bebidas típicas. Cerca de 80 pessoas, entre jovens, adultos, idosos e crianças, estiveram presentes na abertura, que contemplou falas dos representantes das instituições responsáveis pela mostra.

Um convite à reflexão e ao diálogo

Este slideshow necessita de JavaScript.

“É uma exposição primorosa que mostra como a arte pode penetrar em nossa subjetividade e acionar a nossa consciência para podermos estar mais atentos para as questões importantes que a ONU vem defendendo, como saúde, educação e proteção do meio ambiente”, comentou Claudia Reis, psicóloga, que participou do evento de abertura.

Claudia também destacou a importância da conscientização pública para o alcance do desenvolvimento sustentável. “São questões que se a gente não pensar agora ou não permanecer muito empenhado em defender, vamos sucumbir. Precisamos nos unir”, concluiu.

Apostando na simplicidade, as obras do Ivan Palomino impactam pela naturalidade com que expõem as contradições e os desafios da sociedade contemporânea.

O designer expográfico responsável pela montagem da mostra, Ale Teixeira, comentou: “É uma arte que se aproxima porque traz elementos do nosso cotidiano que não conseguimos relacionar diretamente com os temas dos ODS, mas um artista como ele consegue falar de um jeito simples”. E completou: “São obras fáceis de ler, de entender. As crianças e os adultos adoram”.

Imagens para despertar

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nomeando as ilustrações como “Vozes que comem” ou “Girando pela Paz” (vencedora do concurso ‘Um Pôster pela Paz’, organizado pela ONU em 2016), o artista peruano instiga a curiosidade do público também a partir dos títulos.

Paco Licínio, de cinco anos, foi levado pela mãe, Luciana, e apontou a obra que mais gostou, chamada “Paz enganosa”. A ilustração aborda o tema da predação humana sobre os ecossistemas marítimos, a partir dos elementos baleia e bomba relacionados. Na dúvida se se tratava de um ou de outro, Paco arriscou: “É uma baleia bomba!”.

Carlos Bertão, curador da exposição, espera que os espectadores saiam transformados. “Cada um de nós precisa fazer a sua parte, não podemos ficar passivos, precisamos entender o problema e agir”, pontuou.

Segundo Ivan Ciro Palomino, a comunicação visual é uma ferramenta forte para transmitir mensagens importantes. “Como artista, trato de apoiar mudanças sociais necessárias, a partir das emoções das pessoas e do ganho de consciência delas”, comentou.

Serviço

A mostra fica em cartaz no Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro entre 26 de setembro e 3 de novembro.

A visitação é gratuita, e pode ser feita de terça a domingo, das 12h às 19h.