UNFPA, Reino Unido e Fundação Gates facilitarão planejamento familiar a mais de 120 milhões de mulheres

Fundo de População da ONU apoia importante encontro de planejamento familiar em Londres como parte do esforço para estender prática voluntária a todas e todos que a desejarem até 2020.

UNFPA, Reino Unido e Fundação Gates facilitarão planejamento familiar a mais de 120 milhões de mulheres

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) pediu aos governantes de todo o mundo que comprometam mais recursos para a crítica questão do planejamento familiar voluntário.

No Dia Mundial da População, 11 de julho, a Cúpula de Londres sobre Planejamento Familiar lançará uma iniciativa sem precedentes para atender às necessidades de planejamento familiar moderno em países em desenvolvimento. O objetivo é mobilizar a vontade política e os recursos extras necessários para dar a mais de 120 milhões de mulheres o acesso ao planejamento familiar até 2020.

O UNFPA tem combinado a promoção do planejamento familiar em escala global com suporte financeiro e ajuda prática para as nações há mais de 40 anos. O Fundo pede aos doadores e Países-Membros das Nações Unidas que façam os aportes estimados em 4,1 bilhões de dólares que ainda são necessários todos os anos para atender completamente as necessidades por métodos contraceptivos modernos no mundo em desenvolvimento.

A iniciativa será coorganizado pelo Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Governo do Reino Unido (DfID) e pela Fundação Bill e Melinda Gates.

“Saúdo calorosamente essa iniciativa. O planejamento familiar precisa ter muito mais destaque na agenda internacional e essa iniciativa ajudará a alcançar isso”, disse o Diretor Executivo do UNFPA, Babatunde Osotimehin.

“O UNFPA tem estado na vanguarda do trabalho internacional em planejamento familiar voluntário e estamos ansiosos para trabalhar com o DfID, a Fundação Gates e outros parceiros para promover ainda mais a importância desta questão”, adicionou Osotimehin. “Juntos, estamos convocando os líderes de todo o mundo a relembrar que cada país tem a obrigação moral e o interesse em combater as mortes de mães e seus bebês”.

“Gravidezes não desejadas têm um impacto muito maior nas chances de vida das mulheres e seus filhos – e essa é uma questão que tem afetado comunidades inteiras nos países mais pobres do mundo”.

“Na Cúpula de Londres sobre Planejamento Familiar, o UNFPA e seus parceiros estão trazendo o planejamento familiar para o topo da agenda. Através de nossos esforços coletivos, acredito que temos uma chance real de atingir nosso objetivo”, concluiu Osotimehin.