UNFPA realiza sessão informativa em Roraima com idosas e mulheres migrando sozinhas

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Secretaria Municipal da Gestão Social de Boa Vista, por meio do Centro de Referência de Assistência Social, participou de um encontro com mulheres refugiadas e migrantes no abrigo Rondon 3, da Operação Acolhida, em Roraima.

A Operação Acolhida é a resposta humanitária a refugiados e migrantes venezuelanos implementada no Brasil por governo federal, agências da ONU e organizações da sociedade civil.

Na ocasião, um grupo mulheres idosas e de mulheres migrando sozinhas ou com filhos receberam sessões informativas sobre violência baseada em gênero, saúde sexual e reprodutiva e sobre o acesso aos serviços do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

UNFPA realizou sessão com foco específico em mulheres idosas e mulheres migrando sozinhas. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

UNFPA realizou sessão com foco específico em mulheres idosas e mulheres migrando sozinhas. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com a Secretaria Municipal da Gestão Social de Boa Vista, por meio do Centro de Referência de Assistência Social, participou de um encontro com mulheres refugiadas e migrantes no abrigo Rondon 3, da Operação Acolhida, em Roraima.

A Operação Acolhida é a resposta humanitária a refugiados e migrantes venezuelanos implementada no Brasil por governo federal, agências da ONU e organizações da sociedade civil.

Na ocasião, um grupo mulheres idosas e de mulheres migrando sozinhas ou com filhos receberam sessões informativas sobre violência baseada em gênero, saúde sexual e reprodutiva e sobre o acesso aos serviços do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

A coordenação dessa atividade foi feita junto à Associação Voluntários para o Serviço Internacional (AVISI Brasil), que é responsável pela gestão do abrigo. O UNFPA visitou o espaço para discutir os temas de seu mandato e alcançar esta população, com foco em mulheres idosas e mulheres migrando sozinhas.

Atualmente, o UNFPA realiza um diagnóstico, dentro dos abrigos da Operação Acolhida, sobre o acesso à rede local de serviços das mulheres refugiadas e migrantes. A partir daí, por demanda delas, veio a necessidade de fornecer informações sobre os direitos de assistência social. Nesse sentido, foi aberto um espaço para informar as pessoas sobre os serviços que são fornecidos no CRAS.

“Estamos fornecendo orientações sobre o Cadastro Único, sobre o benefício de prestação continuada para pessoas idosas e pessoas com deficiência e sobre o Programa Bolsa Família. Essa informação agrega muito para as pessoas dos abrigos, sobretudo pessoas idosas e mães que estão sem seus companheiros, porque elas chegaram aqui sem nenhum tipo de orientação e é importante que elas possam realmente acessar as políticas públicas do Brasil”, disse o assistente social do CRAS da região, Silvio Leite.

Durante o encontro, o UNFPA também disponibilizou kits de higiene para as mulheres presentes, assim como preservativos femininos e materiais informativos sobre a Lei Maria da Penha, sobre violência baseada em gênero e saúde sexual e reprodutiva.