UNFPA e setor privado discutem gênero diante da COVID-19

Focado na promoção das agendas de direitos humanos e trabalho decente, o Grupo de Trabalho Empresas e Direitos Humanos, liderado pelo Instituto Ethos, realizou na terça-feira (28) uma reunião virtual sobre inovação na gestão da diversidade nas empresas. A convite do Instituto Ethos, o Fundo de População da ONU (UNFPA) apresentou a empresas do setor privado, ações e orientações de gênero baseadas no documento recém-publicado “COVID-19: um olhar para gênero”.

Em meio a surtos de doenças, homens e mulheres podem ser afetados de maneira diferente e as pandemias intensificam as desigualdades existentes. Mulheres representam 70% da força de trabalho em serviços social e de saúde ao redor do mundo. Segundo o documento do UNFPA, “deve ser dada atenção especial à maneira como o ambiente de trabalho de mulheres pode expô-las à discriminação”.

Reunião virtual reuniu Grupo de Trabalho de Empresas e Direitos Humanos e o UNFPA. Foto: UNFPA

Focado na promoção das agendas de direitos humanos e trabalho decente, o Grupo de Trabalho Empresas e Direitos Humanos, liderado pelo Instituto Ethos, realizou nesta terça-feira (28) a reunião virtual sobre inovação na gestão da diversidade nas empresas. A convite do Instituto Ethos, o Fundo de População da ONU (UNFPA) apresentou a empresas do setor privado, ações e orientações de gênero baseadas no documento recém-publicado “COVID-19: um olhar para gênero”.

Em meio a surtos de doenças, homens e mulheres podem ser afetados de maneira diferente e as pandemias intensificam as desigualdades existentes. Mulheres representam 70% da força de trabalho em serviços social e de saúde ao redor do mundo. Segundo o documento do UNFPA, “deve ser dada atenção especial à maneira como o ambiente de trabalho de mulheres pode expô-las à discriminação”.

A representante do Fundo de População da ONU, Astrid Bant, ressaltou que empregadores devem analisar uma flexibilidade de horários de funcionárias e funcionários que possuem responsabilidades de cuidado, isso também inclui horários flexíveis de trabalho para mães e pais. “Com o fechamento de escolas, a dupla jornada de mulheres tem se intensificado, é importante incentivar homens e mulheres a compartilharem o trabalho doméstico e o cuidado com crianças, idosos e/ou pessoas com deficiência” explicou a representante do UNPFA.

O Grupo de Trabalho Empresas e Direitos Humanos tem por objetivo engajar líderes empresariais na agenda dos direitos humanos e abordar assuntos que podem ser tratados e aprofundados nas empresas brasileiras. A coordenadora de Práticas Empresariais e Políticas Públicas do Instituto Ethos, Sheila de Carvalho, afirmou que a responsabilidade social e empresarial é mais necessária do que nunca. “Por isso, é necessário reforçar esses conceitos, debater sobre isso e ter uma postura mais ativa no âmbito das práticas empresariais e das políticas públicas”, concluiu a coordenadora do Instituto Ethos.

Papel do setor privado

Empresas do setor privado possuem um papel importante a desempenhar, não apenas na mitigação do impacto da COVID-19, mas na redução da propagação do vírus. Durante o evento, foram discutidas propostas de ação e a importância da atuação do setor privado para enfrentar problemas durante a pandemia da COVID-19.

A representante do UNFPA, Astrid Bant, recomendou ações para as empresas adotarem urante e após a pandemia. “Deve-se garantir que as vozes das mulheres tenham um papel nas forças-tarefa de crise e nas equipes de resposta, e que mulheres e homens tenham representação e envolvimento equitativo na tomada de decisões das instituições”, concluiu.

Estiveram presentes representantes de empresas que fazem parte do Grupo de Trabalho Empresas e Direitos Humanos do Instituto Ethos e membros da Aliança pela Saúde e pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos no Brasil, como SESC e Pantys.