UNFPA discute com governo da Paraíba projeto para desenvolvimento da juventude

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) retomou o diálogo com o governo da Paraíba para o desenvolvimento de um projeto conjunto direcionado a jovens e adolescentes, principalmente meninas, a partir de 10 anos.

As conversas, que se iniciaram em 2016 e foram retomadas agora, vão buscar um objetivo comum: empoderar a juventude com políticas públicas exclusivas para a faixa etária, prevendo um currículo que passe por educação, saúde e habilidades para a vida.

Reunião entre representantes do UNFPA e do governo da Paraíba ocorreu na Casa da ONU, em Brasília (DF). Foto: UNFPA/Fabiane Guimarães

Reunião entre representantes do UNFPA e do governo da Paraíba ocorreu na Casa da ONU, em Brasília (DF). Foto: UNFPA/Fabiane Guimarães

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) retomou o diálogo com o governo da Paraíba para o desenvolvimento de um projeto conjunto direcionado a jovens e adolescentes, principalmente meninas, a partir de 10 anos.

As conversas, que se iniciaram em 2016 e foram retomadas agora, vão buscar um objetivo comum: empoderar a juventude com políticas públicas exclusivas para a faixa etária, prevendo um currículo que passe por educação, saúde e habilidades para a vida.

O secretário de Desenvolvimento Humano do estado, Tibério Limeira, e o secretário da representação governamental estadual em Brasília (DF), Adalto Fernandes, estiveram presentes na Casa da ONU, na capital federal, para discutir os próximos passos.

Eles foram recebidos pela representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant, e pelo oficial de programa para Juventude e HIV do UNFPA, Caio Oliveira.

“A nossa parceria com o Fundo de População da ONU vai ser no sentido de fazer monitoramento e avaliação das políticas públicas. É interesse do governo da Paraíba fortalecer e monitorar as políticas voltadas para essas meninas, e também meninos, dessa faixa etária. Para que possamos viver numa sociedade melhor, mais digna e feliz”, afirmou o secretário Lima.

“Meninas de 10 anos precisam de cuidados muito particulares. Sabemos, de nossa experiência internacional, que quando temos políticas públicas robustas que olhem exatamente o que essas meninas precisam, isso faz com que elas cheguem ao seu potencial máximo, sejam cidadãs plenas”, disse Bant.

“Isso fortalece a vida delas, de suas famílias, do país e do estado onde vivem. Esse investimento tem um rendimento social e econômico fabuloso”, afirmou.