UNESCO realiza seminário em Nova York sobre soluções brasileiras para combater a pobreza urbana

Evento organizado em parceria com a Central Única de Favelas contou com a participação de representantes de organizações de bairros nova-iorquinos, como o Harlem e o Bronx.

Seminário discutiu experiências brasileiras de combate à pobreza em áreas urbanas. Foto: Wikimedia Commons / chensiyuan (CC)

Seminário discutiu experiências brasileiras de combate à pobreza em áreas urbanas. Foto: Wikimedia Commons / chensiyuan (CC)

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) realizou, nesta sexta-feira (18), o seminário “Pobreza Urbana e Desenvolvimento no Brasil: a periferia no centro da Agenda Pós-2015”, em Nova York. Durante o evento, foram discutidas as soluções que o Brasil encontrou para combater a pobreza, especialmente nas grandes cidades. O painel antecedeu a Cúpula da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável, que definiu uma nova agenda de objetivos globais, entre eles, a erradicação da pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

“Esperamos que essas experiências viajem para outros contextos e inspirem outros países a encontrar soluções para problemas que nos são comuns”, enfatizou a diretora da Área Programática da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto. O seminário reuniu mais de 300 pessoas, entre representantes de organizações de base de bairros nova-iorquinos, como Harlem e Bronx e organizações não governamentais de comunidades menos favorecidas.

“O que conseguimos construir, ao reduzir a pobreza e a fome no Brasil, em especial em algumas áreas de adensamento urbano intenso, como as favelas, é uma mostra de como essa perspectiva dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pode dar certo”, destacou a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, que também compareceu ao evento. Após o seminário, aconteceu o lançamento da Central Única de Favelas (CUFA) Global, que terá o propósito de estabelecer um diálogo com favelas de outros países.

O evento foi fruto de uma parceria entre o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, a UNESCO no Brasil, a CUFA, a London School of Economics e a Missão Brasileira na ONU.