UNESCO quer o fim imediato das destruições de patrimônios sufis na Líbia

Nas cidades de Zlitena, Misrata e na capital Tripoli, a maioria dos santuários sufis foram danificados.

Homem faz protesto contra a destruição de um santuário sufi em Trípoli (UNSMIL / I. Athanasiadis)

A Diretora-Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, pediu o fim imediato da destruição de patrimônios e localidades da corrente islã Sufi, na Líbia. “Estou muito preocupada sobre esses brutais ataques em lugares com tanta significância cultural e religiosa. Esses atos têm que ser interrompidos, se a sociedade líbia quiser completar sua transição para a democracia”, disse Bokova.

Segundo informações da mídia, islamistas ultraconservadores danificaram a maioria dos santuários e bibliotecas sufis nas cidades de Zlitena e Misrata e na capital Tripoli. O patrimônio atingido é reverenciado pelos sufis, mas considerado herético por alguns ramos da fé islã. A Diretora-Geral da UNESCO pediu que as autoridades e sociedade líbias exerçam sua responsabilidade para proteger seu patrimônio cultural e defender locais religiosos significantes para futuras gerações.

Neste ano, a Líbia se encontra em um processo de transição democrática. Em julho, realizou sua primeira eleição democrática em mais de 40 anos, após a saída do ditador Muamar Kadafi. O ditador esteve no poder entre 1969 e 2011, e deixou o comando após um levante pró-democrático que resultou numa guerra civil e no fim de seu regime.