UNESCO pede a criação de ‘zonas culturais protegidas’ no Iraque e na Síria

Em evento em Paris, diretora-geral da UNESCO afirmou que “para lutar contra o fanatismo, também precisamos reforçar a educação, a defesa contra o ódio e proteger o patrimônio, que tem ajudado a forjar a identidade cultural coletiva”.

12-03-2014Cultural_Heritage

Proteger o patrimônio cultural da Síria e do Iraque também é prioridade. Foto: UNESCO

A diretora-geral da Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, pediu, nesta quarta-feira (3), a criação de “zonas culturais protegidas”, para proteger cidades e bens considerados patrimônios culturais, tanto na Síria como no Iraque.

Na abertura da conferência internacional sobre ameaças à herança cultural e diversidade desses países, na sede da UNESCO, em Paris, Bokova denunciou a perseguição às minorias, os constantes ataques aos patrimônios culturais e o tráfico ilícito de bens culturais, que acontecem diariamente nos dois países em guerra.

Ela destacou que, mesmo em meio à vasta destruição, não é tarde para tomar estas medidas. “Não pode haver solução puramente militar para esta crise. Para lutar contra o fanatismo, também precisamos reforçar a educação, a defesa contra o ódio e proteger o patrimônio, que tem ajudado a forjar a identidade cultural coletiva”, acrescentou.

Na ocasião, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que este pedido de proteção coloca a diversidade cultural no centro dos esforços humanitários e da consolidação da paz na Síria e no Iraque. “A proteção do patrimônio cultural é um imperativo de segurança”, ressaltou.