UNESCO lembra contribuição dos povos indígenas para o desenvolvimento sustentável

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Às vésperas do Dia Internacional dos Povos Indígenas (9 de agosto), a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, lembrou a contribuição singular desses povos para o entendimento mútuo, a paz e o desenvolvimento sustentável.

Irina lembrou que apesar de sua diversidade cultural e de seus territórios que se estendem por mais de 90 países, os povos indígenas têm dificuldades comuns, relacionadas à proteção dos seus direitos como povos únicos. Os 370 milhões de indígenas compõem menos de 5% da população mundial, mas, entre os mais pobres, correspondem a 15%.

Indígenas em manifestação em Brasília. Foto: Mídia Ninja

Indígenas em manifestação em Brasília. Foto: Mídia Ninja

Às vésperas do Dia Internacional dos Povos Indígenas (9 de agosto), a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, lembrou a contribuição singular desses povos para o entendimento mútuo, a paz e o desenvolvimento sustentável.

“Este ano celebramos o décimo aniversário da histórica Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas”, disse Irina em comunicado publicado na segunda-feira (7). “Esta é uma oportunidade de honrar os direitos dos povos indígenas e sua contribuição singular para o entendimento mútuo, a paz e o desenvolvimento sustentável”, completou.

Os povos indígenas detêm e praticam culturas e relações excepcionais com o meio ambiente natural, lembrou a diretora-geral da agência da ONU. “Eles incorporam grande parte da diversidade linguística e cultural da humanidade que compartilhamos. Proteger seus direitos e sua dignidade é proteger os direitos de todos e respeitar a alma, o passado e o futuro da humanidade”, salientou.

Irina lembrou que apesar de sua diversidade cultural e de seus territórios que se estendem por mais de 90 países, os povos indígenas têm dificuldades comuns, relacionadas à proteção dos seus direitos como povos únicos. Os 370 milhões de indígenas compõem menos de 5% da população mundial, mas, entre os mais pobres, correspondem a 15%.

Em 2002, a UNESCO lançou o Projeto LINKS (Sistemas de Conhecimento Locais e Indígenas) para apoiar governos na criação de sinergias entre o conhecimento científico e o dos povos indígenas.

A iniciativa transformou-se na publicação de uma nota do Conselho Consultivo Científico (SAB) do secretário-geral das Nações Unidas, dedicada ao conhecimento e às ciências indígenas e locais para o desenvolvimento sustentável.

“Tudo isso inspira a nova política da UNESCO de colaboração com os povos indígenas, para garantir uma implementação mais forte da Declaração das Nações Unidas”, disse Irina. “Isso vai beneficiar não somente os povos indígenas, mas também toda a humanidade e o nosso planeta”, completou.


Mais notícias de:

Comente

comentários