UNESCO lança iniciativas para apoiar cultura e patrimônio durante a pandemia

A UNESCO está lançando iniciativas para apoiar as indústrias culturais e o patrimônio cultural, à medida que bilhões de pessoas em todo o mundo se voltam para a cultura em busca de conforto para superar o distanciamento social durante a crise de saúde causada pela COVID-19, que está afetando fortemente o setor cultural.

Além de uma reunião online com ministros da cultura de todo o mundo, há uma exposição virtual de propriedades patrimoniais e as campanhas digitais #CompartilheCultura e  #CompartilheNossoPatrimônio.

Ouro Preto foi a primeira cidade brasileira designada como Patrimônio Cultural da UNESCO no país. Foto: UNESCO/M & G Therin-Weise

Ouro Preto foi a primeira cidade brasileira designada como Patrimônio Cultural da UNESCO no país. Foto: UNESCO/M & G Therin-Weise

A UNESCO está lançando iniciativas para apoiar as indústrias culturais e o patrimônio cultural, à medida que bilhões de pessoas em todo o mundo se voltam para a cultura em busca de conforto para superar o distanciamento social durante a crise de saúde causada pela COVID-19, que está afetando fortemente o setor cultural.

Além de uma reunião online com ministros da cultura de todo o mundo, há uma exposição virtual de propriedades patrimoniais e as campanhas digitais #CompartilheCultura e  #CompartilheNossoPatrimônio.

“A natureza global da crise da COVID-19 é um apelo à comunidade internacional para reinvestir na cooperação internacional e no diálogo intergovernamental”, disse Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO. “A UNESCO está comprometida em liderar uma discussão global sobre a melhor forma de apoiar artistas e instituições culturais durante a pandemia da COVID-19 e além, e garantir que todos possam permanecer em contato com o patrimônio e a cultura que os conectam à sua humanidade”.

Na semana passada, a UNESCO lançou uma campanha global de mídia social, #CompartilheNossoPatrimônio, para promover o acesso à cultura e à educação em torno do patrimônio cultural durante este período de confinamento em massa.

A UNESCO também está lançando uma exposição online de dezenas de propriedades patrimoniais em todo o mundo, com o suporte técnico do Google Arts & Culture.

Outra iniciativa é o compartilhamento de relatos dos coordenadores dos sítios do Patrimônio Mundial sobre o impacto da COVID-19 nos locais  que administram e nas comunidades que os rodeiam. Crianças de todo o mundo serão convidadas a compartilhar desenhos do Patrimônio Mundial, dando a elas a chance de expressar sua criatividade e sua conexão com o patrimônio.

Depois que a atual crise terminar, as campanhas #CompartilheCultura e #CompartilheNossoPatrimônio serão mantidas como forma de dividir a reflexão sobre medidas para proteger os sítios do Patrimônio Mundial e promover o turismo sustentável.

Em 22 de abril, a UNESCO reunirá os Ministros da Cultura do mundo em uma reunião online sobre a COVID-19 e seu impacto na cultura. Com base no Fórum de Ministros da Cultura da UNESCO, realizado no ano passado, a reunião ajudará os ministros a trocar informações e pontos de vista sobre o impacto da crise de saúde no setor cultural de seus países e a identificar medidas políticas de mitigação que sejam apropriadas em seus diversos contextos nacionais.

“Agora, mais do que nunca, as pessoas precisam de cultura”, disse Ernesto Ottone R., diretor-geral adjunto para Cultura da UNESCO. “A cultura nos torna resilientes. Isso nos dá esperança. Ela nos lembra que não estamos sozinhos. É por isso que a UNESCO está fazendo todo o possível para apoiar a cultura, salvaguardar nossa herança e capacitar artistas e criadores, agora e depois que a crise passar”.

O fechamento de patrimônios históricos, museus, teatros e cinemas e outras instituições culturais está comprometendo o apoio financeiro à artistas e indústrias criativas, bem como a conservação de lugares extraordinários e os meios de subsistência das comunidades locais e profissionais da cultura.

A COVID-19 suspendeu muitas práticas de patrimônio cultural imaterial, incluindo rituais e cerimônias, impactando as comunidades em todos os lugares. A pandemia também acarretou na perda de muitos empregos e afetou diretamente os artistas, que em sua maioria, em todo mundo, dependem de atividades auxiliares para complementar a renda de sua arte.