UNESCO lança em SP relatório global sobre economia criativa e políticas culturais

Em parceria com o Ministério da Cultura (MinC) e o Itaú Cultural, a UNESCO realiza na próxima terça-feira (6), em São Paulo, o lançamento da versão em português do relatório mundial ‘Repensar as Políticas Culturais: Criatividade para o Desenvolvimento’.

Pesquisa mostra que a economia criativa gera receitas de 2,25 bilhões de dólares por ano, além de exportações globais de mais de 250 bilhões de dólares. O ramo também responde por 30 milhões de empregos em todo o mundo.

UNESCO lança relatório em português sobre economia criativa e políticas culturais. Imagem: UNESCO

UNESCO lança relatório em português sobre economia criativa e políticas culturais. Imagem: UNESCO

Em parceria com o Ministério da Cultura (MinC) e o Itaú Cultural, a UNESCO realiza na próxima terça-feira (6), em São Paulo, o lançamento da versão em português do relatório mundial Repensar as Políticas Culturais: Criatividade para o Desenvolvimento. A pesquisa mostra que a economia criativa gera receitas de 2,25 bilhões de dólares por ano, além de exportações globais de mais de 250 bilhões de dólares. O ramo também responde por 30 milhões de empregos em todo o mundo.

A apresentação do documento acontece em encontro de especialistas e gestores no Itaú Cultural — acesse a programação na íntegra clicando aqui.

A divulgação do relatório é uma das atividades da primeira edição do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR), um megaevento de negócios organizado pela pasta da Cultura. De 5 a 11 de novembro, a iniciativa reunirá artistas e empreendedores dos setores culturais e criativos do Brasil e de outros países da América do Sul. Programação vai ocupar o corredor cultural da Avenida Paulista.

Participam do lançamento da pesquisa o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o secretário de governo da Cultura da Argentina, Pablo Avelluto, o diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron, e a diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto. A análise do documento será feita pelo argentino Octavio Kulesz, diretor da Editora Teseu e autor do capítulo “Políticas Culturais na era das plataformas”. Na sequência, serão realizados painéis com temas abordados no relatório.

No mesmo evento, também será discutido o relatório The Brazilian Creative Economy (em inglês), desenvolvido pela Tom Fleming Creative Consultancy, por meio de uma parceria entre o British Council, a Fundação Newton e o Sebrae. A publicação traz um panorama da economia criativa no Brasil e uma proposta metodológica para a avaliação de programas de economia criativa em áreas vulneráveis. O documento conta ainda com o Guia UK-Brazil, que para compartilhamento de boas práticas em economia criativa, com casos inspiradores de diversos países.

Para se inscrever no lançamento do relatório e/ou realizar seu credenciamento de imprensa, clique aqui.

O Brasil no relatório

No Brasil, as ferramentas de avaliação discutidas no relatório mundial já foram utilizadas localmente pela Prefeitura de Santos (SP), uma das integrantes da Rede de Cidades Criativas da UNESCO.

O país se destaca na publicação da ONU por estratégias de modernização das indústrias culturais e por incentivos ao empreendedorismo — em 2015, foi criada a Rede de Incubadoras Brasil Criativo, em âmbito nacional.

O governo brasileiro também implementou, de 2013 a 2015, o Plano Nacional de Políticas para as Mulheres do Brasil, que traz visibilidade para as contribuições culturais das mulheres na sociedade brasileira. O programa aborda ainda o acesso à produção cultural, à mídia e ao conteúdo, além de cumprir a Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (2005). Esse marco tem uma meta sobre igualdade de gênero, direitos humanos e liberdades individuais.

Sobre o relatório

A pesquisa da UNESCO é um importante instrumento para implementar a Convenção de 2005 sobre a proteção e a promoção da diversidade das expressões culturais nos países. O texto foi ratificado por 146 Estados-membros. O relatório avalia os progressos e os desafios para implementar os objetivos desse marco internacional, funcionando como um guia de ação da UNESCO para fortalecer a produção, criação e disseminação de bens, atividades e serviços culturais.

Desde 2015, a UNESCO publica uma série global de relatórios, com base nas informações disponibilizadas a cada quatro anos pelos países signatários da convenção. Essas análises oferecem informações qualitativas e quantitativas sobre políticas para proteger e promover a diversidade de expressões culturais, em nível nacional e internacional. A versão em espanhol do relatório mundial foi lançada em junho deste ano em Bogotá, na Colômbia.

A Convenção de 2005 apoia o direito soberano dos Estados de implementar políticas públicas para dinamizar os setores das indústrias cultural e criativa.

Com a elaboração e divulgação do relatório, a UNESCO também esperar contribuir para a execução da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.