UNESCO e parceiro realizam enquete online com jovens LGBTI sobre educação e inclusão

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Sistemas educacionais são inclusivos para a população LGBTI? Para encontrar respostas para a questão, a UNESCO e a organização francesa MAG Jeunes LGBT realizam uma enquete online voltada para jovens gays, lésbicas, bissexuais, trans e intersexo. É preciso ter no máximo 26 anos para participar da consulta pública. Prazo para contribuir vai até 18 de julho.

Parada do Orgulho LGBT em São Paulo, 2015. Foto: Leo Pinheiro / Fotos Públicas

Parada do Orgulho LGBT em São Paulo, 2015. Foto: Fotos Públicas/Leo Pinheiro

Sistemas educacionais são inclusivos para a população LGBTI? Para encontrar respostas para a questão, a UNESCO e a organização francesa MAG Jeunes LGBT realizam uma enquete online voltada para jovens gays, lésbicas, bissexuais, trans e intersexo. É preciso ter no máximo 26 anos para participar da consulta pública. Prazo para contribuir vai até 18 de julho.

Os resultados da pesquisa serão apresentados durante a segunda Conferência Bienal da Coalizão de Direitos Iguais (Equal Rights Coalition – ERC, no nome original, em inglês). O evento acontece em agosto de 2018, em Vancouver, no Canadá. A ERC é um organismo intergovernamental composto por 39 países. A instituição defende os direitos humanos das pessoas LGBTI e promove o desenvolvimento em suas nações-membros e não membros.

Não é preciso se identificar para participar da consulta — basta indicar a idade e o país de origem. A enquete aborda a experiência das pessoas LGBTI nas redes de ensino e também traz uma questão sobre atendimento em serviços de saúde.

Clique aqui para acessar o questionário da consulta pública em português.

“Nós sabemos que uma parcela significativa de estudantes LGBTI passa por experiências violentas de homofobia e transfobia nas escolas, com um predomínio muito maior (desses episódios) do que seus colegas que não são LGBTI. Eles estão mais propensos a não se sentir seguros nas escolas, a faltar as aulas ou até mesmo a abandonar a escola, o que impacta negativamente em sua educação, suas perspectivas de emprego e seu bem-estar”, aponta Cristophe Cornu, líder de equipe na Seção de Saúde e Educação da UNESCO.

“Por meio dessa consulta global, esperamos aprender mais sobre essas experiências e, com isso, apoiar os Estados-membros a oferecer ambientes educacionais seguros e inclusivos para todos os seus estudantes. Isso é fundamental para a aprendizagem efetiva, para o cumprimento dos compromissos relativos a direitos humanos, incluindo o direito à educação e outros direitos das crianças, e para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), em particular o ODS 4 (sobre educação).”

A UNESCO apoiará a realização da consulta com uma campanha nas redes sociais, chamando jovens de todo o mundo, incluindo do Brasil, a contribuir com a iniciativa.

Acesse o relatório “Jogo Aberto” da UNESCO sobre a resposta do setor de educação à violência motivada por questões de identidade de gênero e orientação sexual — clique aqui (em português).

Saiba mais sobre as ações da UNESCO na área de sexualidade e educação e também no enfrentamento ao bullying de caráter homofóbico — clique aqui (em português).

Conheça as ações da agência da ONU para combater a LGBTIfobia nos sistemas de ensino — clique aqui (em inglês).


Mais notícias de:

Comente

comentários