UNESCO e governo de PE fecham acordo para desenvolvimento da região de Suape

Plano estratégico prevê envolvimento de atores e autoridades locais para mitigação de impactos socioambientais. Foto: EBC.

O governo do Estado de Pernambuco e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) assinaram um acordo de cooperação para o desenvolvimento sustentável da região do complexo industrial portuário de Suape, situada nos municípios de Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco.

Com duração de dois anos, o projeto prevê ações como o mapeamento de necessidades socioambientais da região, a capacitação de equipes técnicas governamentais, o empoderamento de comunidades locais e a elaboração de planos estratégicos voltados ao meio ambiente, à cultura, à educação e ao desenvolvimento social.

O plano estratégico será feito com o envolvimento de atores e autoridades locais para a utilização futura de recursos de compensação ambiental ou de incentivos fiscais para a mitigação dos impactos ocorridos na região que convive tanto com um rápido crescimento econômico quanto com importantes desafios de ordem socioambiental.

O acordo foi firmado na segunda-feira (14), em cerimônia na sede do governo estadual de Pernambuco, e contou com a presença do governador Paulo Câmara, do coordenador-geral de Cooperação Multilateral da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Márcio Correa; da coordenadora de Cultura da UNESCO no Brasil, Patrícia Reis; e do oficial do Programa de Ciências Humanas e Sociais da UNESCO no Brasil, Fabio Eon.

O projeto foi fechado por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado.

A região de Suape é responsável por quase 15% do PIB pernambucano e abriga um dos maiores e mais competitivos portos de exportação do Brasil. O local também tem importante potencial turístico, ambiental e de patrimônio histórico, abrangendo o Parque Armando Holanda Cavalcanti que abarca também o sítio histórico de Cabo de Santo Agostinho, tombado pelo governo de Pernambuco como área de Proteção Histórica e Cultural em 1993.