UNESCO condena assassinato do jornalista brasileiro João Miranda do Carmo e cobra investigações

Jornalista foi baleado no último domingo (24), em frente à sua casa na cidade de Santo Antônio do Descoberto, em Goiás. João Miranda do Carmo mantinha um website de notícias locais.

Jornalista foi baleado no último domingo (24) em Santo Antônio do Descoberto. Foto: Reprodução / Facebook

Jornalista foi baleado no último domingo (24) em Santo Antônio do Descoberto. Foto: Reprodução / Facebook

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, condenou na quarta-feira (27) o assassinato do jornalista brasileiro João Miranda do Carmo, em Goiás. A chefe da agência da ONU cobrou do Brasil investigações sobre o homicídio, que aconteceu no último domingo (24).

João, que mantinha um website de notícias locais — o SAD Sem Censura —, foi baleado em frente à sua casa na cidade de Santo Antônio do Descoberto.

“É importante que as autoridades investiguem esse assassinato e levem seus perpetradores à justiça. A impunidade de crimes contra jornalistas restringe a capacidade dos profissionais de mídia de realizarem seu trabalho e promoverem o acesso do público a fontes de informação diversas e independentes”, alertou Bokova.

A UNESCO é a agência das Nações Unidas encarregada de condenar a morte de jornalistas em todo o mundo, como forma de defender a liberdade de imprensa e expressão.