UNESCO condena assassinato do jornalista brasileiro Auro Ida

“O uso da violência para parar os jornalistas de exercerem o seu direito humano fundamental da liberdade de expressão é inaceitável”, afirmou a Diretora-Geral da agência.

A Diretora-Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, condenou hoje o assassinato do jornalista Auro Ida, na cidade brasileira de Cuiabá, em 22 de Julho.

“Condeno o assassinato de Auro Ida. O uso da violência para parar os jornalistas de exercerem o seu direito humano fundamental da liberdade de expressão é inaceitável. É essencial que as autoridades levem os assassinos de Auro Ida à justiça “, afirmou a Diretora-Geral.

Auro Ida, 53 anos, ex-Secretário de Imprensa do Governo de Cuiabá, foi um dos fundadores do site de notícias Midianews, e escrevia uma coluna de opinião para outro site de notícias, Olhar Direto. Ele foi morto a tiros em seu carro por um homem não identificado.

Ao que parece, Ida investigava casos de corrupção política local no momento de sua morte. Ele havia declarado também que estaria recebendo ameaças.

De acordo com o Comitê para a Proteção dos Jornalistas, Auro Ida é o quarto jornalista assassinado este ano no Brasil.