UNESCO condena assassinato de três jornalistas em Honduras e pede ação de autoridades

“O uso de violência para silenciar jornalistas não pode ser tolerado porque este também é um ataque contra a sociedade como um todo”, disse a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova.

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, denunciou nesta quarta-feira (15) o assassinato de três jornalistas em Honduras, reiterando que crimes contra profissionais da mídia não podem ficar impunes.

“Eu condeno o assassinato de Jacobo Montoya Ramírez, Juan Carlos Cruz Andara e Joel Aquiles Torres”, disse Bokova. “O uso de violência para silenciar jornalistas não pode ser tolerado porque este também é um ataque contra a sociedade como um todo. Eu peço que as autoridades ponham fim à impunidade de crimes contra jornalistas e garantam que os seus autores sejam levados à justiça”.

Juan Carlos Cruz Andara foi encontrado morto a facadas em sua casa, ao norte da cidade de Puerto Cortés, no dia 23 de junho, aproximadamente cinco meses após relatar a polícia que ele havia recebido uma ameaça de morte. Jacobo Montoya Ramirez levou um tiro em sua casa, em Copán Ruinas, no dia 25 de junho. E Joel Aquiles Torres foi baleado enquanto dirigia seu carro em Comayagua, no dia 3 de julho.