UNESCO: ciência e tecnologia dão respostas para a construção do desenvolvimento sustentável

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

A área de ciência, tecnologia e inovação (CTI) fornece as principais respostas para a construção da paz e para apoiar o desenvolvimento sustentável, disse a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, para a ocasião do Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento, lembrado em 10 de novembro.

“Nós precisamos de uma ciência mais integrada para aperfeiçoar a gestão hídrica, assegurar o uso sustentável dos oceanos, proteger os ecossistemas e a biodiversidade, enfrentar os desastres e a mudança climática, e promover a inovação”, disse Irina, em nota.

A área de ciência, tecnologia e inovação (CTI) fornece as principais respostas para a construção da paz e para apoiar o desenvolvimento sustentável, segundo a UNESCO. Foto EBC

A área de ciência, tecnologia e inovação (CTI) fornece as principais respostas para a construção da paz e para apoiar o desenvolvimento sustentável, segundo a UNESCO. Foto EBC

A área de ciência, tecnologia e inovação (CTI) fornece as principais respostas para a construção da paz e para apoiar o desenvolvimento sustentável, disse a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, para a ocasião do Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento, lembrado em 10 de novembro.

“Nós precisamos de uma ciência mais integrada para aperfeiçoar a gestão hídrica, assegurar o uso sustentável dos oceanos, proteger os ecossistemas e a biodiversidade, enfrentar os desastres e a mudança climática, e promover a inovação”, disse Irina, em nota.

“É por isso que CTI está no centro da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e do Acordo de Paris sobre Mudança Climática”, completou.
Segundo ela, a UNESCO desenvolveu uma abordagem única para promover a cooperação científica mundial, ao mesmo tempo em que incentiva ações locais, com dois focos: igualdade de gênero e África.

Nesse espírito, em 2017, a UNESCO promoveu um simpósio internacional de políticas sobre a educação de meninas em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM), para combater as desigualdades de gênero nas áreas de STEM.

“A complexidade das questões mundiais da atualidade vai além da área de abrangência de uma única disciplina”, disse Irina. “Por isso, a UNESCO fez da transdisciplinaridade o pilar de seu trabalho para a sustentabilidade, com a construção de redes de múltiplas partes interessadas, tais como museus, universidades, entidades privadas e públicas, governos e ONGs”, completou.

De acordo com Irina, o tema do Dia Mundial da Ciência para a Paz e o Desenvolvimento deste ano, “ciência para a compreensão mundial”, abrange a abordagem da agência da ONU para desenvolver cooperação científica dentro das sociedades e entre elas, combinando a sustentabilidade mundial com ações e conhecimentos locais.

“Hoje, existe uma necessidade urgente de promover a Cooperação Sul-Sul e Norte-Sul-Sul, para promover CTI visando ao desenvolvimento sustentável, assim como para incentivar a compreensão mútua e a paz.”

“Nesse contexto, a diplomacia científica será um instrumento poderoso para o uso da ciência como um fundamento de uma cultura de cooperação. O investimento em educação científica também será essencial. Nós precisamos conceder acesso igualitário às ciências para todas as pessoas, com início em uma idade precoce e com um foco especial nas meninas”, concluiu.

Nesse espírito, eu chamo todas partes interessadas, muito além dos círculos científicos, para que se mobilizem para liberar o potencial pleno das ciências para o desenvolvimento e a paz.


Mais notícias de:

Comente

comentários