UNASUL e ONU-Habitat analisam recuperação de cidades do Equador após terremoto

O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), Ernesto Samper, e o diretor regional da ONU-Habitat para América Latina e Caribe, Elkin Velásquez, reuniram-se em Quito para estabelecer formas de ajuda às cidades equatorianas afetadas pelo terremoto de abril que deixou mais de 650 mortos e 27 mil feridos.

Terremoto de magnitude 7,8 atingiu Equador no sábado (16), causando morte e destruição. Foto: UNICEF

Terremoto de magnitude 7,8 atingiu Equador em 16 de abril, causando morte e destruição. Foto: UNICEF

O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), Ernesto Samper, e o diretor regional da ONU-Habitat para América Latina e Caribe, Elkin Velásquez, reuniram-se para estabelecer formas de auxiliar as cidades equatorianas afetadas pelo terremoto de abril, especialmente Manabí e Esmeraldas. O encontro ocorreu esta semana na sede da UNASUL, em Quito.

“Tenho o prazer de constatar que a União de Nações Sul-Americanas tem um interesse genuíno em promover o desenvolvimento das cidades e da cidadania sul-americana em geral, e equatoriana em particular”, disse o diretor regional da ONU-Habitat.

“Este espírito será de muita utilidade na hora de conceber alianças para apoiar operações urbanas integrais para a recuperação sustentável das cidades e das populações afetadas pelo terremoto de 16 de abril”, completou Velásquez.

Em 16 de abril, um forte terremoto de magnitude 7,8 atingiu o Equador, derrubou edifícios em zonas urbanas e afetou casas e infraestrutura ao longo da costa. Foi o pior terremoto no país desde 1979, deixando mais de 650 mortos e 27 mil feridos.

O terremoto deixou ao menos 350 mil pessoas passando por extrema necessidade, entre as mais 750 mil afetadas e mais de 29 mil desabrigadas.