UNAIDS promove em Salvador atividades sobre prevenção e tratamento do HIV

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), governo e sociedade civil promoveram em dezembro e novembro a 3ª Semana Vermelha de Salvador, evento com atividades sobre prevenção, testagem e tratamento do HIV. Iniciativa desenvolveu ações com grupos específicos, como professores e estudantes da rede pública estadual, e ofereceu cursos para ativistas em direitos humanos.

Em Salvador, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) promoveu uma série de atividades, palestras e debates sobre prevenção, testagem e tratamento do HIV. A iniciativa — chamada 3ª Semana Vermelha da capital baiana — desenvolveu ações com grupos específicos, como professores e estudantes da rede pública estadual, e ofereceu cursos para ativistas em direitos humanos.

Em 2016, o tema do evento foi o impacto da epidemia na população jovem. Em 11 colégios públicos, uma oficina abordou métodos que podem proteger as pessoas do HIV/AIDS. Alunos de um dos centros de ensino também puderam acompanhar um debate sobre o tema na Câmara Municipal de Salvador.

Organizada dos dias 27 de novembro a 2 de dezembro, a 3ª semana Vermelha foi fruto de uma parceria da agência da ONU com a Instituição Beneficente Conceição Macedo (IBCM), a Rede de Pessoas Vivendo com HIV, a Pastoral da AIDS, o GAPA Bahia, o Centro Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (CEDAP), as Secretarias de Educação e Saúde do estado da Bahia e a pasta municipal da Saúde de Salvador. O evento também contou com o apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

“É importante ressaltar a importância do trabalho articulado entre a sociedade civil, a ONU e os movimentos sociais para promovermos a Aceleração da Resposta à AIDS também nos âmbitos municipal e estadual, somando esforços de diversos setores e trazendo os jovens para o centro dessas ações”, explicou o consultor do UNAIDS na Bahia, Javier Angonoa.

Durante a semana, 25 jovens universitários da capital baiana participaram do primeiro módulo do Curso para Jovens Ativistas em HIV e Direitos Humanos. A segunda parte da formação foi concluída em meados de dezembro.

Outras atividades do evento incluíram a prestação de serviços de testagem e a distribuição de informações em pontos específicos de Salvador.

A epidemia em Salvador

Em linha com as tendências mundiais, a epidemia de AIDS tem aumentado entre os mais jovens na capital baiana. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, a taxa de detecção de casos de AIDS por 100 mil habitantes entre jovens de 15 a 24 anos quase triplicou nos últimos seis anos, chegando a 46,7 em 2015 — contra os 16,8 registrados em 2010.

Segundo o UNAIDS, o aumento das infecções contribuiu também para uma elevação no número de pessoas hospitalizadas em Salvador em decorrência de complicações causadas pela AIDS.

“Ações como essa (a semana) têm o objetivo de levar informações básicas, mas essenciais, para esses jovens. Muitos já estão chegando ao sistema de saúde em um estágio muito avançado do vírus no organismo, dentro do quadro que conhecemos que a AIDS provoca”, explica Angonoa.

“A semana busca também chamar atenção para o número de pessoas que não possuem acesso ao tratamento devido à falta de recursos financeiros necessários para o transporte, por exemplo, até os locais onde os serviços de saúde são oferecidos”, acrescentou.

Prevenção

O UNAIDS reitera que a prevenção é um dos pilares mais importantes da resposta ao HIV. A chamada prevenção combinada oferece um leque de métodos e ferramentas para que as pessoas se protejam e protejam seus parceiros, evitando a infecção pelo vírus.

Fazem parte da prevenção combinada os preservativos masculino e feminino, considerados ainda a forma mais acessível de proteção contra o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs); o teste rápido para o HIV, que é gratuito e sigiloso na rede pública de saúde; a profilaxia pós-exposição (PEP), que consiste em um tratamento de 28 dias que precisa ter início em até 72 horas após a exposição ao vírus; o tratamento antirretroviral, entre outros.


Mais notícias de:

Comente

comentários