UNAIDS pede integração dos serviços para acabar com dupla epidemia de tuberculose e HIV

Tuberculose perpetua a pobreza em muitos países, fazendo a renda anual cair em média 50% entre as famílias afetadas.

Pessoas usam máscara de proteção contra a tuberculose. Foto: IRIN/David Gough

Pessoas usam máscara de proteção contra a tuberculose. Foto: IRIN/David Gough

No Dia Mundial da Luta contra a Tuberculose (TB), marcado em 24 de março, o UNAIDS alertou para a necessidade da ampliação de serviços integrados de HIV e tuberculose, sobretudo nos países e regiões mais afetados pelo que é chamado de epidemia dupla. Em todo o mundo, nove milhões de pessoas desenvolveram tuberculose em 2013 e 1,5 milhão ainda morrem da doença todos os anos.

A TB perpetua a pobreza em muitos países, fazendo a renda anual cair em média 50% entre as famílias afetadas. A doença também continua a ser uma das principais causas de morte entre pessoas que vivem com o HIV. Em 2013, houve cerca de 360 mil óbitos por TB entre as pessoas afetadas pelo HIV e cerca de 1,1 milhão de pessoas que vivem com o HIV desenvolveram a tuberculose.

No entanto, se as pessoas que vivem com o HIV iniciarem a terapia antirretroviral, eles reduzirão o risco de desenvolver a tuberculose. O diagnóstico e o acesso precoce ao tratamento contra o HIV reduz o risco de contração de tuberculose em 65%. Quando o tratamento da infecção por tuberculose latente é combinado com terapia antirretroviral, o risco de desenvolver TB cai em cerca de 90%.

Se as pessoas que vivem com o HIV desenvolverem a tuberculose, acesso imediato a terapia antirretroviral e o tratamento da TB (terapia preventiva com isoniazida) podem reduzir suas chances de morte em 50%.

O diagnóstico da tuberculose em pessoas vivendo com HIV e testes de HIV para todas as pessoas com suspeitas ou já diagnosticados com TB é, portanto, crucial.

O UNAIDS apoia os esforços de âmbito local para a construção de abordagens inovadoras e integradas para o HIV e a TB, que garantam a todos o acesso precoce a prevenção, testes e serviços de tratamento do HIV e da TB.

Ao coordenar e intensificar os esforços para apoiar as pessoas que vivem com HIV e TB, as epidemias podem ser reduzidas e eliminadas em paralelo. Para isso, o apoio e a mobilização da comunidade são cruciais para conscientizar mais e mais pessoas sobre as opções de teste e tratamento e sobre o fortalecimento das capacidades na área da saúde.

Uma nova estratégia lançada pela Organização Mundial de Saúde, “Gear Up to End TB” (Esteja pronto para acabar com a TB), propõe uma maior colaboração entre os serviços de TB e HIV, o fortalecimento dos sistemas de saúde, o engajamento das comunidades, a melhoria da proteção social e a intensificação em pesquisas e inovação. A estratégia visa a reduzir mortes por tuberculose em 95% e novos casos de tuberculose em 90% até 2035.

O UNAIDS estabeleceu metas ambiciosas 90-90-90 de tratamento para 2020: 90% de todas as pessoas vivendo com HIV saibam que têm o vírus; 90% das pessoas diagnosticadas com HIV recebam terapia antirretroviral; e 90% das pessoas recebendo tratamento possuam carga viral indetectável e não mais possam transmitir o vírus. O UNAIDS também está trabalhando para pelas metas de Aceleração da Resposta, que busca reduzir novas infecções de HIV para menos de meio milhão por ano até 2020.

A agência da ONU vai continuar trabalhando em colaboração com os países, doadores e parceiros, incluindo a Organização Mundial de Saúde, a Parceria Stop TB (Pare a TB), o Fundo Global de Combate à AIDS, Tuberculose e Malária e o Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da AIDS, a fim de produzir soluções sustentáveis de integração e oferta dos serviços essenciais de HIV e TB.