UNAIDS: Novas evidências confirmam que começar terapia antirretroviral mais cedo salva vidas

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) saúda mais esta indicação de que o início da terapia antirretroviral com um nível de CD4 mais elevado tem efeitos positivos sobre a saúde e o bem-estar das pessoas vivendo com HIV.

Novas evidências mostram que começar o tratamento o mais rápido possível superam os riscos. Foto: UNAIDS/P.Virot

Novas evidências mostram que começar o tratamento o mais rápido possível superam os riscos. Foto: UNAIDS/P.Virot

O ensaio clínico START (Strategic Timing of Antiretroviral Treatment), conhecido no Brasil como Momento Estratégico da Terapia Antirretroviral encontrou evidências convincentes de que os benefícios de começar a terapia antirretroviral imediatamente superam os riscos. O estudo internacional randômico financiado pelo National Institutes of Health (NIH) foi anunciado no final de maio.

Os dados do estudo mostraram que o risco de AIDS, outras doenças graves ou morte foi reduzido em 53% entre as pessoas que iniciaram o tratamento quando os níveis de CD4 – uma medida da saúde do sistema imunológico – eram iguais ou superiores a 500, em comparação com o grupo cujo tratamento foi adiado para quando seus níveis de CD4 caíram para 350.

O anúncio do START acompanha uma série de resultados de pesquisas ao longo dos últimos anos, indicando os benefícios à saúde de se iniciar o tratamento para o HIV o mais cedo. Os resultados destes estudos irão desempenhar um papel importante na formação do novo guia de tratamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), que deverá ser lançado no final de 2015.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) saúda mais esta evidência de que o início da terapia antirretroviral com um nível de CD4 mais elevado tem efeitos positivos sobre a saúde e o bem-estar das pessoas vivendo com HIV.

As evidências dos benefícios à saúde pelo tratamento precoce, combinada com descobertas anteriores sobre o impacto dos medicamentos antirretrovirais na redução da transmissão do HIV, confirmam que a terapia antirretroviral é um pilar dos esforços para salvar e melhorar vidas, bem como para prevenir novas infecções pelo HIV em conjunto com todas as outras opções de prevenção do HIV atualmente disponíveis.