UNAIDS divulga dados de estudos sobre nova terapia antirretroviral na prevenção ao HIV

Conduzido pela Agência Nacional Francesa de Pesquisa sobre AIDS, o estudo IPERGAY recrutou 400 homens que fazem sexo com homens para receberem tenofovir/emtricitabina como profilaxia pré-exposição.

A terapia antirretroviral usada antes e depois do sexo pode se tornar uma opção adicional à prevenção ao HIV. Foto: EBC/Jehgas Preotto

A terapia antirretroviral usada antes e depois do sexo pode se tornar uma opção adicional à prevenção ao HIV. Foto: EBC/Jehgas Preotto

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) informou, nesta quarta-feira (29), que dois dos ensaios clínicos ainda em andamento apresentaram fortes indícios da efetividade da terapia antirretroviral na prevenção de novas infecções pelo HIV entre homens que fazem sexo com homens.

Conduzido pela Agência Nacional Francesa de Pesquisa sobre AIDS (ANRS), o estudo IPERGAY recrutou 400 homens que fazem sexo com homens na França para serem submetidos aos testes, analisando a eficácia do uso combinado dos antirretrovirais tenofovir/emtricitabina como Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), ou seja, antes e depois das relações sexuais. O padrão é o uso diário destas substâncias.

O Comitê para Monitoramento e Segurança dos Dados do ensaio clínico IPERGAY revisou as informações obtidas pelo estudo e encontrou uma redução “muito significativa” no risco de novas infecções pelo HIV no grupo de participantes que usaram a medicação quando comparado ao grupo-controle que usava um placebo. Com base nestes resultados, o Comitê recomendou que o tratamento de tenofovir/emtricitabina como PrEP seja ofertado a todos os participantes do estudo.

O estudo ainda não está em fase final, mas o comitê declarou que seria antiético permitir que os participantes do programa que estão tomando o placebo continuassem sem receber o tratamento, tendo em vista que os resultados até o momento são muito convincentes. Os resultados finais do estudo IPERGAY são esperados para o início de 2015. Uma vez confirmados os resultados, a terapia antirretroviral usada como PrEP antes e depois do sexo pode se tornar uma opção adicional à prevenção ao HIV para homens que fazem sexo com homens.

“Nenhuma ação isolada protege completamente a transmissão do HIV e esse é um dos motivos pelo qual o UNAIDS luta fortemente pela prevenção combinada. Isso inclui o uso correto e consistente do preservativo, o atraso no início da vida sexual, a redução do número de parceiros sexuais, a circuncisão masculina, o acesso à terapia antirretroviral, a redução do estigma e discriminação e o fim das leis punitivas”, afirma o UNAIDS.