Uma nova aliança para a eliminação da pobreza rural na América Latina

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) constituíram uma aliança para eliminar a pobreza rural na América Latina, onde quase a metade dos habitantes rurais é pobre e cerca de um terço é indigente.

A iniciativa é formada por especialistas de desenvolvimento rural e tem por objetivo mudar o cenário da região. O principal objetivo da aliança é propor soluções inovadoras que tenham um impacto concreto na vida de milhões de pessoas.

Foto: FIDA

Foto: FIDA

Uma aliança para eliminar a pobreza rural na América Latina, onde quase a metade dos habitantes rurais é pobre e cerca de um terço é indigente. A iniciativa, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), tem por objetivo mudar o cenário da região, onde a pobreza rural está estagnada e até sofreu retrocesso em alguns países, como Guatemala, México e Costa Rica.

“As estratégias do crescimento econômico da região foram criadas no século passado e estão baseadas em suposições que já não são mais válidas. Precisamos de soluções do século XXI para este problema”, explicou o Representante Regional da FAO, Julio Berdegué. A aliança, constituída formalmente no fim de agosto, é formada por especialistas latino-americanos de desenvolvimento rural.

O principal objetivo da aliança é propor soluções inovadoras que tenham um impacto concreto na vida de milhões de pessoas. Para Berdegué, as políticas que se requerem hoje não são as mesmas que permitiram reduzir a pobreza da região nos últimos quinze anos. Segundo a FAO, os que mais sofrem são os mais pobres entre os mais pobres:  a indigência rural baixou menos de um ponto percentual entre 2012 e 2014, e se mantém em 27%.

“Os pobres rurais estão em áreas periféricas, onde mais difícil chegar. E existem outros tipos de problemas, como os de gênero, de exclusão de indígenas e afrodescendentes, onde os desafios são ainda maiores”, explicou Lauren Phillips, especialista da FIDA em políticas públicas.

A Aliança criará uma proposta regional que será apresentada aos governos da América Latina e trabalhará com países pilotos para criar formas de intervenção desenhadas com as realidades nacionais e territoriais de cada país.