Uma economia global sustentável precisa surgir após pandemia, diz chefe da ONU ao G20

Os líderes mundiais reunidos na cúpula virtual do G20, realizada na quinta-feira (26), comprometeram-se a injetar mais de 5 trilhões de dólares na economia global para combater os impactos da pandemia de COVID-19.

Eles também expandirão a capacidade industrial para atender à enorme e crescente demanda por suprimentos médicos, que serão disponibilizados a um preço acessível e no menor tempo possível, segundo compromisso das principais potências econômicas do mundo.

Secretário-geral da ONU foi um dos participantes da cúpula virtual do G20 sobre a pandemia de COVID-19. Foto: ONU

Secretário-geral da ONU foi um dos participantes da cúpula virtual do G20 sobre a pandemia de COVID-19. Foto: ONU

Os líderes mundiais reunidos na cúpula virtual do G20, realizada na quinta-feira (26), comprometeram-se a injetar mais de 5 trilhões de dólares na economia global para combater os impactos da pandemia de COVID-19.

Eles também expandirão a capacidade industrial para atender à enorme e crescente demanda por suprimentos médicos, que serão disponibilizados a um preço acessível e no menor tempo possível, segundo compromisso das principais potências econômicas do mundo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, o principal diplomata do mundo, estava entre os participantes, enfatizando que “estamos em guerra contra um vírus – e não estamos vencendo”.

Guterres entregou uma mensagem em três partes aos líderes, pedindo ações concertadas para suprimir o vírus e minimizar o impacto social e econômico da pandemia.

“Precisamos trabalhar juntos agora para preparar o terreno para uma recuperação que construa uma economia mais sustentável, inclusiva e equitativa, guiada por nossa promessa compartilhada – a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, concluiu.

Chefe da OMS pede intensos esforços dos países

Com a pandemia acelerando exponencialmente, o homem na vanguarda da resposta global instou o G20 a “lutar” contra o que chamou de “a crise de saúde que define o nosso tempo”.

Assim como o secretário-geral da ONU, o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, enviou três mensagens aos líderes: lutar, unir-se e impulsionar.

“Primeiro, lute. Lute com força. Lute bastante. Lute como se sua vida dependesse disso – porque ela depende”, disse ele.

Tedros também pediu unidade e solidariedade, e o impulso à produção de ferramentas, equipamentos de proteção e de tratamento que podem potencialmente salvar centenas de milhares de vidas.

Os dados da OMS mostram que quase meio milhão de casos de COVID-19 foram registrados na quinta-feira (26) e mais de 20.800 mortes, enquanto 199 países e territórios são afetados.

Tedros alertou que “sem ações agressivas em todos os países, milhões poderão morrer”.

Algumas nações atendem ao chamado de cessar-fogo

Guerrilhas comunistas nas Filipinas e rebeldes anglófonos nos Camarões estão depondo suas armas e aderindo ao apelo do secretário-geral da ONU por um cessar-fogo global em meio à pandemia.

A ONU saudou o cessar-fogo temporário anunciado na quarta-feira (25) nos dois países.

O Partido Comunista das Filipinas ordenou que o Novo Exército do Povo interrompa os ataques até 15 de abril, enquanto o cessar-fogo da Força de Defesa dos Camarões do Sul entrará em vigor no domingo (29), de acordo com relatos da mídia.

O chefe da ONU fez o apelo pelo cessar-fogo na segunda-feira (23), dizendo: “é hora de colocar os conflitos armados em isolamento e se concentrar na verdadeira luta de nossas vidas”.