Um início de ano ‘sangrento’ na Síria: mais de 30 crianças mortas em duas semanas, alerta UNICEF

Somente nos primeiros 14 dias do ano, mais de 30 crianças foram mortas em uma escalada de violência no Leste de Ghouta, na Síria, onde cerca de 200 mil crianças estão sitiadas pelos conflitos desde 2013.

“É vergonhoso que quase sete anos após o conflito, uma guerra contra as crianças continue enquanto o mundo observa. Milhões de crianças em toda a Síria e em países vizinhos sofreram as devastadoras consequências dos níveis de violência em várias partes do país”, disse o chefe do UNICEF na Síria, Fran Equiza.

Ru'a, de apenas 18 meses, anda na motocicleta de seu avô enquanto ele atravessa Mesraba, no Leste de Ghouta, na Síria. Foto: UNICEF/2018/Amer Almohibany

Ru’a, de apenas 18 meses, anda na motocicleta de seu avô enquanto ele atravessa Mesraba, no Leste de Ghouta, na Síria. Foto: UNICEF/2018/Amer Almohibany

Somente nos primeiros 14 dias do ano, mais de 30 crianças foram mortas em uma escalada de violência no Leste de Ghouta, na Síria, onde cerca de 200 mil crianças estão sitiadas pelos conflitos desde 2013.

O alerta é do principal funcionário do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no país do Oriente Médio, no domingo (14).

“Em um momento no qual a maioria dos pais está cheia de esperança do Ano Novo para o futuro de seus filhos, as mães e os pais da Síria estão aflitos com as crianças que perderam”, afirmou Fran Equiza, representante do UNICEF na Síria.

“É vergonhoso que quase sete anos após o conflito, uma guerra contra as crianças continue enquanto o mundo observa. Milhões de crianças em toda a Síria e em países vizinhos sofreram as devastadoras consequências dos níveis de violência em várias partes do país”, acrescentou.

O UNICEF recebeu informações de dentro do Leste de Ghouta de que as pessoas estão se abrigando em locais subterrâneos para salvar suas vidas.

Duas instalações médicas foram atacadas nos últimos dias na região, e a maioria dos centros de saúde teve que fechar por causa da violência. As escolas foram encerradas nos arredores do Leste de Ghouta no momento em que crianças em outros lugares da Síria estão fazendo seus exames.

“Enquanto vemos um pequeno vislumbre de esperança no final do ano passado com a evacuação de 17 crianças com necessidade urgente de atenção médica, o aumento da violência em e ao redor do Leste de Ghouta transformou a esperança em desespero para as 120 crianças restantes que continuam a sofrer em silêncio, esperando uma evacuação médica urgente”, disse Equiza.

Em Idlib, no noroeste do país, a pesada violência teria provocado a morte e ferimento de dezenas de crianças e mulheres, deslocando cerca de 100 mil civis nas últimas semanas. O hospital de maternidade e pediatria em Ma’arrat An Nu’man foi atacado três vezes, fazendo com que suas operações cessasse e deixando pelo menos um paciente e dois médicos mortos.

“Devemos ser capazes de alcançar as crianças que precisam de ajuda humanitária, de forma urgente e sem restrições, onde quer que estejam na Síria. As várias partes em conflito podem fazer isso acontecer ao permitir imediatamente que os trabalhadores humanitários os alcancem com assistência vital”, disse ele.