Tsunami na Indonésia deixa centenas de mortos e mais de 50 desaparecidos; ONU apoia resposta

A população da Indonésia recebeu um alerta para manter distância de praias ao longo do Estreito de Sunda, entre as ilhas de Sumatra e Java, após o devastador tsunami do fim de semana na região, que de acordo com relatos do governo e de agências humanitárias pode ter deixado centenas de mortos. Este número ainda pode crescer.

Em atualização no último dia 24, o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) relatou que havia pouco mais de mil pessoas feridas, mais de 50 desaparecidas e quase 12 mil deslocadas pelo tsunami.

Homem olha para ponte destruída na cidade de Palu, Indonésia. Foto: OCHA/Anthony Burke
Homem olha para ponte destruída na cidade de Palu, Indonésia. Foto: OCHA/Anthony Burke

A população da Indonésia recebeu alerta para manter distância de praias ao longo do Estreito de Sunda, entre as ilhas de Sumatra e Java, após o devastador tsunami do fim de semana na região, que de acordo com relatos do governo e de agências humanitárias pode ter deixado centenas de mortos. O número ainda pode crescer.

O tsunami atingiu áreas costeiras a oeste da capital, Jacarta, na noite de sábado (22), destruindo casas, hotéis e negócios. Relatos mais recentes sugerem que as ondas devastadoras foram provocadas por deslizamentos submarinos após a erupção do vulcão Anak Krakatau.

As áreas mais afetadas são os distritos de Pandeglang e Serang, na província de Banten, e os distritos de Lampung do Sul e Tanggamus, na província de Lampung, de acordo com o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Em atualização no último dia 24 de dezembro, o OCHA relatou que havia pouco mais de mil pessoas feridas, mais de 50 desaparecidas e quase 12 mil deslocadas pelo tsunami.

Também há relatos de que rodovias e estradas nas áreas afetadas sofreram problemas, impactando esforços de ajuda emergencial e dificultando avaliação completa da extensão dos danos. Muitos turistas ficaram no meio do desastre por conta da temporada de férias de Natal.

A Agência Nacional de Gestão de Desastres da Indonésia (BNPB), o Exército, a polícia, a Agência Nacional de Busca e Resgate e autoridades nacionais e locais – junto a voluntários – estão fornecendo assistência imediata aos afetados, acrescentou o OCHA, destacando que até o momento o governo da Indonésia não solicitou assistência internacional.

Pessoas estão ‘compreensivelmente nervosas’

Um alerta de maré alta também permanece em vigor e pessoas foram aconselhadas a se manter longe de áreas baixas. Filiais locais e voluntários da Cruz Vermelha da Indonésia estão ajudando as pessoas a saírem da costa para áreas mais altas.

“Pessoas estão compreensivelmente nervosas… este é um evento traumático que abalou as pessoas”, afirmou a Cruz Vermelha da Indonésia em comunicado emitido nesta segunda-feira (24).

Escritório da ONU para espaço sideral pede dados de satélites para esforços de ajuda

O Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Sideral (UNOOSA) – que trabalha pela cooperação internacional em uso pacífico do espaço sideral, incluindo redução de riscos de desastres e respostas a desastres – solicitou ativação da Carta Internacional “Espaço e Grandes Desastres” em nome da agência espacial da Indonésia (LAPAN).

A Carta Internacional é uma colaboração entre agências espaciais para que dados úteis de satélites sejam disponibilizados para apoiar esforços de resposta a desastres.

Desde sua primeira ativação, em novembro de 2000, a Carta divulgou dados sobre centenas de ocasiões, ajudando esforços de alívio a enchentes, furacões, tsunamis e terremotos.

’Círculo de Fogo’ coloca Indonésia em risco especial

A Indonésia, dada sua localização geográfica no chamado “Círculo de Fogo do Pacífico” – uma região propensa a terremotos, com diversos vulcões ativos – foi atingida com força por terremotos e tsunamis recentes.

Há somente três meses, no final de setembro, mais de 2 mil pessoas morreram quando um poderoso terremoto atingiu a costa da ilha central indonésia de Sulawesi, provocando um tsunami que engoliu a cidade costeira de Palu.

Em um dos piores desastres da história moderna, a região também foi atingida por um devastador tsunami em dezembro de 2004, que tirou mais de 230 mil vidas em 14 países ao longo do Oceano Índico, a maioria delas na Indonésia.