Tribunal Penal Internacional para Ruanda condena ex-Ministro da Juventude por genocídio

O ex-Ministro Callixte Nzabonimana recebeu a sentença de prisão perpétua por extermínio de pessoas da etnia tutsi.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR) condenou hoje (31/5) à prisão perpétua o ex-Ministro da Juventude do país por genocídio e crimes contra a humanidade. Callixte Nzabonimana foi acusado por ter instigado o assassinato de pessoas da etnia tutsi que se refugiaram em um centro comunitário na cidade de Nyabikenke, em abril de 1994, além de ter incitado publicamente a matança de tutsis em três outros incidentes. Ele foi preso em fevereiro de 2008, na Tanzânia, e seu julgamento começou em novembro de 2009.

Também hoje, o Tribunal Penal Internacional (TPI) indeferiu o pedido da Promotoria de um mandado de prisão para Sylvestre Mudacumura, líder rebelde ruandês supostamente responsável ​​por crimes de guerra e crimes contra a humanidade na República Democrática do Congo (RDC).

Com sede na cidade tanzaniana de Arusha, o Tribunal foi criado após o genocídio de Ruanda, quando pelo menos 800 mil tutsis e hutus politicamente moderados foram mortos durante os três meses de conflito, que iniciaram em abril de 1994.